DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

quinta-feira, 23 de maio de 2013

AJEB-CE REALIZA HOMENAGEM A FRANCISCO CARVALHO, COM PALESTRA DA PROFESSORA ANA VLÁDIA MOURÃO


A DIMENSÃO POÉTICA DE FRANCISCO CARVALHO
Vládia Mourão*

Este título tão abrangente comportaria um ensaio, mas não é este nosso intuito. Na verdade quando falamos de dimensão queremos apenas expressar a grandeza da poética de Francisco Carvalho.
Francisco Carvalho, que nasceu na cidade de Russas, em 11 de junho de 1927 e faleceu em Fortaleza no dia 5 de março deste ano, é uma das vozes mais expressivas da literatura cearense.
Donatário de vasta obra, desde seu primeiro livro intitulado Cristal da Memória, publicado em 1955, elencando-se a seguir Canção atrás de Esfinge (1965), Do Girassol e da Nuvem (1960), O Tempo e os Amantes (1960), Dimensão das Coisas (1967), Memorial de Orfeu (1969), Os Mortos Azuis (1971), Pastoral dos Dias Maduros (1977), As Verdes Léguas (1979), Rosa de Eventos (1982), Quadrante Solar (1982), As Visões do Corpo (1984), Barca dos Sentidos (1989), Rosa Geométrica (1990), Exercícios de Literatura (1990), O Tecedor e sua Trama (1992), Crônica das Raízes (1992), Flauta de Barro (1993), Galope de Pégaso (1994), Sonata dos Punhais (1994), Artefatos de Areia (1995), Textos e Contextos (1995), Rosa dos Minutos (1996), Raízes da Voz (1996), Os Exílios do Homem (1997), Girassóis de Barro (1997), Romance da Nuvem Pássaro (1998), A Concha e o Rumor (2000), O Silêncio é uma Figura Geométrica (2002), Centauros Urbanos (2003), Memórias do Espantalho (2004), Corvos de Alumínio (2007) e Mortos não jogam Xadrez (2008).
O poeta Francisco Carvalho, que foi vencedor do Prêmio Nestlé de Literatura, em 1982, com o livro Quadrante Solar e do Prêmio da Fundação Biblioteca do Rio de Janeiro, em 1997, com Girassóis de Barro, surgiu na literatura em pleno domínio da geração de 45. Mesmo assim, o poeta não se vinculou, de forma rígida, a nenhum movimento estético coletivo. Seus livros trazem, de modo geral, as experiências inovadoras do modernismo, como a desarticulação da estrutura do poema, mas apresentam um certo rigor formal presente no parnasianismo, bem como o enigma do simbolismo. Na verdade, ele conhece todas as técnicas da arte poética, e utilizou todas em sua poesia.
Como dimensionar a poesia de Francisco Carvalho? Autor de 32 livros, na sua maioria de poesia e outros de textos diversos (crítica, reflexões sobre literatura, prosa poética). Poeta de fôlego, trabalhou incansavelmente por mais de 50 anos, feito comparável em nossa literatura somente a Carlos Drummond de Andrade. Isto se levássemos em conta apenas o critério quantitativo, mas em relação à qualidade, podemos afirmar que se trata de um projeto literário coerente, desde sua estréia até seu último livro publicado.
Em 1996, o Poeta foi escolhido para participar do conjunto de dez autores indicados ao Vestibular da Universidade Federal do Ceará, com o livro Raízes da Voz.
Em 2004, este mesmo livro chamaria a atenção do cantor e compositor cearense Raimundo Fagner, que lançou o disco “Donos do Brasil”, musicando alguns poemas de Francisco Carvalho, dentre eles “O bicho homem”, “Cesta básica”, “Esse touro vale ouro”.      
A poesia de Francisco Carvalho é genuína, original, única e universal. É como disse, certa vez o escritor José Alcides Pinto: “nosso poeta canta para o mundo inteiro, para os quatro continentes, para todas as nações e para todos os povos. Sua linguagem é universal, desconhece as fronteiras e, sendo o que é, um poeta legítimo, tem seu lugar assentado no tempo de hoje e da posteridade”.
Sobre os temas mais recorrentes na poesia de Francisco Carvalho sempre apontamos a presença muito forte da temática social, quando o autor escreve para despertar consciências, criticando o posicionamento das elites responsáveis pela permanência das desigualdades sociais: “vagos vêm vindo os pobres / rasos que roçam os lagos / ricos do que não têm / Vêm dourados de andrajos / saudosos de ninguém”.
A seguir vêm as angústias do homem, os questionamentos existenciais, como se observa através do poema intitulado “Os Acontecimentos”, inserido no livro As Visões do Corpo: “Chega um tempo em que os acontecimentos desabam / poeira invisível / sobre os teus cabelos / Um momento em que os fatos governam o teu destino e o teu sexo / tua alma, tua voz, tua sombra / e até a solidão dos teus passos dentro da noite”.
Recorrentes também são as questões de ordem metafísica, ou mesmo a morte como condição substancial à vida, bem como as preocupações com o fazer poético, através da elaboração e agrupamento das palavras que compõem o poema: “A hora do poema é a hora de partir para longe / e de voltar para perto / A hora de entrar e de sair / A hora de acender e de apagar / A hora de germinar do lado direito / A hora de reverdecer do lado esquerdo / A hora do poema é a hora de morrer e ressuscitar”. A palavra é a raiz de tudo, é o alicerce de todo o processo construtivo do poema. Leitor rigoroso, trabalhador metódico, artífice da palavra, usa o verbo e o adjetivo com competência.
Não poderíamos deixar de ressaltar a importância da temática da infância em sua obra, na linha de retorno às suas raízes, sem precisão temporal, o poeta refaz os caminhos perdidos numa procura obstinada pela infância, pelo reencontro com o eu, como profere “há rumor de infância soterrada no coração”. É o homem buscando reconstituir o seu primeiro mundo, onde nasceu essa poesia meio pastoril, que se entrelaça com a infância. Aliás, as experiências vividas ou imaginadas têm importante papel na formação do poeta adulto, justamente porque permanecerão armazenadas para, mais tarde, se transformarem em matéria-prima a serem processadas para auxiliar na composição de sua poesia.
Nesse sentido, podemos afirmar que a infância, a memória, os fragmentos do passado, as lembranças do pai, da cidade em que nasceu, tudo está ali misturado, amassado como o barro, um vaso de barro de que é feito o homem, um vaso de Deus, este é o Poeta Francisco Carvalho.


*Professora de Literatura e autora de Três Dimensões da Poética de Francisco Carvalho.


A Mesa Diretora da Sessão


A palestrante Vládia Mourão à Tribuna


Giselda Medeiros e Ana Vládia Mourão expondo suas obras


Nirvanda Medeiros, Giselda Medeiros e Ana Vládia Mourão, sendo agraciada com um mimo


J Udine, Cícero Modesto e Maria do Carmo Fontenelle


Rejane Costa Barros homenageia as mães que já se encantaram


A nova sócia Selma Cabral faz uma homenagem bíblica às mães


Os ajebianos: J Udine, Cícero Modesto e Maria do Carmo Fontenelle


A palestrante ladeada por Cícero Modesto e Giselda Medeiros


Ana Vládia e o grupo dos ajebianos


Giselda Medeiros agradece em nome da AJEB-CE.

2 comentários:

  1. Foi muito bom ouvir,mais uma vez,a palestra abalizada da Professora Ana Vládia, sobre a poética de Francisco Carvalho (pois estivera no lançamento dessa sua notável obra, por ocasião do lançamento do seu livro, há mais de uma década, no Estoril). A Professora Ana Vládia discorre brilhantemente sobre o nosso maior poeta, do qual sou fã de carteirinha, uma vez embasado na leitura profunda que fez da obra do grande e saudoso vate. Sua palestra, na AJEB, foi maravilhosa, merecendo, de nossa parte, todos os encômios, todos os aplausos. Parabéns, professora, por você haver nos revelado as gigantescas dimensões poéticas deste gênio cearense da Poesia, possuidor de um estro universal, Francisco Carvalho. Grande e afetuoso abraço!

    j. Udine.

    ResponderExcluir