ATUAL DIRETORIA AJEB-CE - 2018/2020

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª VICE-PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

2ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Nirvanda Medeiros

1ª DIRETORA DE FINANÇAS: Gilda Maria Oliveira Freitas

2ª DIRETORA DE FINANÇAS: Rita Guedes

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Stella Frota Salles

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Evan Gomes Bessa

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Marçal

DIRETORIA AJEB-CE - 2018-2020

DIRETORIA AJEB-CE - 2018-2020
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

REUNIÃO DE NOVEMBRO 2014 - AJEB-CE: Palestra professor Benedito Vasconcelos Mendes "Cultura Sertaneja"


A Presidente Nirvanda Medeiros abre a sessão


O Conferencista Benedito Vasconcelos Mendes


Ajebianos atentos à palestra


A Presidente entrega Diploma ao Conferencista


Maria Helena Macedo faz uso da palavra


Tereza Porto agradece ao palestrante em nome da AJEB-CE


Cícero Modesto apresenta um trabalho de sua autoria


Ajebianas e ajebianos ladeiam o palestrante Professor Benedito Vasconcelos Mendes

UM TEXTO DE JANUÁRIO BEZERRA




o dia do músico e a escola

Januário Bezerra

Festejar a arte e aplaudir o artista é algo proposto pelo calendário, em todos os tempos e lugares. Vinte e dois de novembro, por exemplo, é data consagrada ao músico. O legado Greco-romano facilita a compreensão da simbologia envolvendo a arte musical e seu praticante. A música, que tem em Beethoven e Bach dois expoentes, para citar apenas esses, se constitui, talvez, na mais evoluída manifestação artística. Acima de questões como língua, crença, escolaridade etc, possibilita, por si mesma, mais harmonia e melhor compreensão entre os homens, tal o seu poder de comunicação e a universalidade do seu culto. Na mitologia grega, Orfeu e Eurides protagonizam linda fábula e assim simbolizam essa forma de arte. Embora mais modestamente, a cultura romana, de igual modo, contribui para o mesmo objetivo, possibilitando a Santa Cecília tornar-se padroeira dos músicos.  Em abordagem circunscrita ao território brasileiro, a data comemorada sugere refletir em torno de como o ofício adotado por Frédéric François Chopin poderia ajudar a Nação no encaminhamento da infância e da juventude, livrando-as da marginalidade que aí está e tanto avilta nossos indicadores sociais. Algo é sempre tentado nesse tocante, mas, sabidamente, muito pouco tem sido feito. Quem não se lembra, por exemplo, do Projeto Aquarius?  Criado em 1972, por iniciativa, dentre outros brasileiros, do maestro Isaac Karabtchevsky, com o objetivo de levar a música clássica à população carioca. Teve sua primeira edição no Parque do Flamengo, com “Alvorada” da ópera “O escravo”, de Carlos Gomes e, mercê da execução do projeto, muitos conterrâneos hoje têm na música uma profissão de inegável sucesso, com vários deles integrando regularmente grandes orquestras mundo afora. E Isaac Karabtchevsky – nascido em 27 de dezembro de 1934 – apesar dos oitenta anos, bem tocados e bem vividos, aí está, cheio de entusiasmo e vontade de continuar colaborando. Se por um lado é lamentável a desativação do “Aquarius”, por outro, há de se reconhecer o efeito multiplicador, já espalhado por alguns pontos do território nacional. Aqui acolá se vê e ouve um grupo musical, sob patrocínio do erário ou de particulares, estimulando vocações, que desde sempre justificaram os aplausos sempre devotados pelo mundo inteiro à música e ao músico do Brasil. Heitor Villa-Lobos foi outro a muito fazer pelo ensino musical entre nós. E dele não há quem possa roubar o mérito de trazer para a orquestra o violão, aqui no Brasil. Até então, o instrumento era visto com imensa reserva, apesar de sua boa origem ibérica e de toda a aceitação sempre encontrada em grandes orquestras europeias. Outro nome a lembrar é o do maestro João Carlos Martins, considerado pela crítica internacional um dos maiores intérpretes de Bach do século XX, de quem registrou a obra completa para teclado. Há sete anos, fundou a Bachiana Filarmônica e desenvolveu um trabalho com adolescentes, através de sua Bachiana Jovem. Criou a Fundação Bachiana, cujo tema é a arte e sustentabilidade. As orquestras foram unificadas e formam a Filarmônica Bachiana SESI-SP. O estado brasileiro bem que poderia aproveitar ideias como as chamadas PPP – Parcerias Público-Privadas e, estendendo esse conceito da moderna administração pública, viabilizar uma escola capaz de atender as necessidades atuais e futuras da sociedade. Possibilitando, e-fe-ti-va-men-te, ao estudante brasileiro e ao profissional em que ele se transformará brevemente, um conteúdo intelectual à altura do pleno exercício da cidadania, nos moldes exigidos pelo terceiro milênio. Afinal, o próprio significado literal da palavra educação sugere algo absolutamente diverso do que aí está. Vejamos o que diz a respeito o dicionário: “educação e.du.ca.ção sf (lat educatione) 1 Ato ou efeito de educar. 2 Aperfeiçoamento das faculdades físicas intelectuais e morais do ser humano; disciplinamento, instrução, ensino. 3 Processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício: Educação musical, profissional etc. 4 Formação consciente das novas gerações segundo os ideais de cultura de cada povo. 5 Civilidade. 6 Delicadeza. 7 Cortesia. 8 Arte de ensinar (...)”. Estaríamos diante de uma excelente oportunidade para reformulação da escola brasileira, posto que já se vislumbra alguma possibilidade de mudança, a partir da redemocratização iniciada com a Constituição de 88, agora aguçada por via das chamadas redes sociais. Há muito é necessária uma nova escola, capaz de qualificar melhor a sociedade, seja do ponto de vista estritamente intelectual ou da aptidão profissional, seja no tocante ao lastro humanístico demandado pela boa convivência entre iguais. De qualquer sorte, é profundamente constrangedor o episódio verificado, com frequência até, em que brasileiro chega a ser tratado aí pelos caminhos do mundo como lídimo representante de uma sub-raça, quando consegue – sabe Deus por obra e graça de que ou quem – usar, com certa vaidade até, o tão sonhado passaporte. Apesar da descrença ainda generalizada, o país parece querer iniciar processo de mudança, pelo que se observa nos últimos tempos. Convém, no entanto, agilizar as coisas, sob pena de esbarrarmos diante de uma dura verdade, que diariamente eu via escrita na parede da escola: “Quem o tempo perde, eterna perda chora”. 


terça-feira, 4 de novembro de 2014

AJEB-CE UNE-SE AO PESAR DA FAMÍLIA DE DONA JOSEFA BRAGA DE LIMA


Aos dez de outubro de 2014, faleceu Dona Zefinha (como era conhecida), mãe de Zenaide Braga Marçal, nossa Ex-presidente e amiga querida.

Por esse motivo, a Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil, coordenadoria do Ceará, leva a ela e a toda a sua Família nossos sentimentos de pesar, pedindo a Deus que os conforte nessa hora tão dolorosa, em que a saudade penetra no coração e se aloja aí como inquilina absoluta e atemporal.

Aos filhos: Zuleica, Zenaide, Zuleide, Jair e Juvêncio e aos demais familiares,  o abraço carinhoso de todos os que fazem a nossa AJEB.

Reproduzimos, aqui, o poema de Zenaide Braga Marçal e o soneto de Jair Braga de Lima, dedicados à sua inesquecível MÃE, ela que era devota de Nossa Senhora de Fátima, que, com certeza, a acolheu sob seu celestial manto sagrado.

MENSAGEM
Zenaide Marçal

Como farei para falar de ti
Dar-te um poema cheio de alegria,
Como há bem pouco tempo eu fazia
Bastando, para isso, contemplar
A singeleza, Mãe, do teu olhar?
Como falar de ti sem que a tristeza
Turve o meu verso, roube-lhe a beleza...
A beleza que soubeste merecer
Com aquele jeito muito teu de ser
A cumprir o que a Vida te pedia
No incansável labor do dia a dia?

Que falta fazem teus amáveis braços
Que se abriam a nos dar abraços,
Plenos de carinho e de calor,
Que transformavam o teu peito
Em ninho acolhedor!...

Ó mãe, se tu me ouves na Eternidade
Escuta, agora, dos teus filhos, a verdade:
- É que a Vida foi bastante dadivosa
Ao dar-nos uma mãe tão generosa!
Por isto, agradecemos ao Senhor
Que nos deu o teu Amor,
A tua longa e frutuosa vida,
Ó mãe muito querida!


À MINHA MÃE ZEFINHA
Jair Braga de Lima

O seu desvelo, que me deu tanto aconchego,
Qual fada insone em mil noites mal dormidas,
Varou os tempos, cristalizou o meu apego,
Curou-me a alma e sarou minhas feridas.

Deu-me ela o néctar milagroso, - deu-me a vida -
Quando ansioso e ofegante a lhe sugar o seio,
Frágil criança bem amada e bem servida,
Marcando em mim tão gracioso devaneio.

Mamãe querida, bem longe vão os mimos da aurora
Que de negrume tingiam os cabelos de outrora
Deste seu filho agradecido e que a sorrir

Junto de si é bem feliz, se acha pequenino,
Que inda em seu colo recorda a frase do menino:
"A bênção, mamãe, por que já vou dormir"!
3/11/2014

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

CONCORRA - VI CONCURSO LITERÁRIO PROFESSORA EDITH BRAGA - INSCRIÇÕES ENCERRADAS

VI CONCURSO LITERÁRIO PROFESSORA EDITH BRAGA

 INSCRIÇÕES ENCERRADAS

(Realização da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil – CE)

REGULAMENTO

1.     O VI CONCURSO LITERÁRIO PROFESSORA EDITH BRAGA, promovido pela AJEB, Coordenadoria do Ceará, tem como objetivo dar oportunidade de expressão a todos os interessados em manifestar seu pensamento, através da escrita, quer seja em prosa (conto ou crônica), quer seja em verso.

2.     As inscrições estarão abertas a partir do dia 30 de setembro a 30 de dezembro de 2014.

3.     Os concorrentes deverão ter idade mínima de quinze anos.

4.     Os participantes poderão concorrer com 2 (dois) trabalhos inéditos em prosa (conto ou crônica) e/ou em verso. Caso se inscrevam nas duas categorias, devem utilizar o mesmo pseudônimo. O tema é livre.

5.     Os trabalhos, tanto em verso como em prosa, deverão ser digitados, em espaço 1,5, fonte 12, e impressos em papel A4, em três vias, com no máximo 2 páginas para cada trabalho inscrito. Esses trabalhos deverão ser enviados dentro de um envelope grande. Como destinatário, colocar: AJEB/CE, endereço: Rua Castro Alves, 725; Bairro Joaquim Távora; Cep: 60130-210. Fortaleza-CE, sem nenhuma identificação do participante. No espaço do remetente, colocar o pseudônimo, com o endereço: Rua do Rosário, no 1, Centro; Cep: 60055-090. Dentro deste envelope grande, junto com os trabalhos, o concorrente deve colocar outro envelope (pequeno) lacrado, tendo, na face externa, o pseudônimo usado, o(s) título(s) do(s) trabalho(s) e a(s) categoria(s) em que está se inscrevendo; e, dentro desse envelope, uma ficha de identificação com: nome completo do concorrente; título dos trabalhos inscritos; endereço; telefone, e-mail (se tiver); e um brevíssimo currículo.

6.     Os trabalhos classificados em 1º lugar (prosa e verso) serão publicados na coletânea Policromias, 8º volume, da AJEB-CE.

7.     Os prêmios serão assim distribuídos: 1º, 2º e 3º lugares (poesia e prosa) receberão Troféu e Certificado.  

8.     Não haverá premiação repetida.

9.     A cerimônia de entrega dos prêmios será previamente marcada, e todos os participantes serão informados.

10. A decisão do júri, divulgada somente na hora da entrega dos prêmios, será, posteriormente, veiculada através da imprensa e de nossos órgãos de informação.

11. O simples envio dos trabalhos implica aceitação total deste Regulamento.

12. Os trabalhos em desacordo com este Regulamento serão, automaticamente, desclassificados.

13. A decisão do júri é irrecorrível e soberana.

14. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Julgadora e pela Coordenadoria Geral do VI Concurso Literário Professora Edith Braga.
                                                                                         
Fortaleza, 11 de setembro de 2014
                                                                                  
A COMISSÃO ORGANIZADORA

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

CONSIDERAÇÕES DE LUCINEIDE SOUTO SOBRE "VIVENCIANDO PASSOS", LIVRO DE NIRVANDA MEDEIROS



  CONSIDERAÇÕES SOBRE “VIVENCIANDO PASSOS”

                 Um Caminho Construído com Amor

Senhora Presidente desta veneranda Casa, escritora Nirvanda Medeiros
Senhora Presidente de Honra da AJEB, Princesa dos Poetas do Ceará, Giselda Medeiros
 Senhoras e Senhores componentes da Mesa Solene
Senhoras e Senhores jornalistas e escritores Ajebianos

Após o meu Bom Dia, a todos, almejando que a Paz do Senhor Deus esteja conosco, quero-lhes dizer que, pela segunda vez, adentro o ambiente histórico da AJEB, onde seletas personalidades distinguem-me com sua melhor  atenção, embora seja eu, ainda, uma viajante por esses caminhos ajebianos acalentando o sonho de integrar, em breve, esta notável assembleia de renomados intelectuais - orgulho da nossa terra.

A primeira vez, cá estive, no mês de agosto de 2014, sob o amparo da Sra. Presidente Nirvanda Medeiros, a serviço do Conselho Internacional dos Acadêmicos de Ciências, Letras e Artes, sediado no Rio de Janeiro, e do Instituto Comnènne Palaiologos  de Educação e Cultura, com sede em São Paulo, ambos presididos por Dom Alexander Comnènne Palaiologos Maia Cruz, para a outorga oficial do Diploma  “Ordem do Mérito Histórico – Literário Castro Alves” conferido às insignes escritoras cearenses Giselda de Medeiros Albuquerque e Rejane Costa Barros,  pelas suas relevantes contribuições à Educação e  à Cultura do Brasil, a quem tive a subida honra de representar na sessão solene do augusto Conselho Internacional, o CONINTER.

Hoje, o que me traz aqui, atendendo ao irrecusável convite oficial da Presidência da Casa, além do meu anseio retromencionado é uma agradável incumbência a que me propus, ao ler a obra de Nirvanda Medeiros, “Vivenciando Passos” Um Caminho Construído com Amor, que me foi autografado, àquela mesa, naquela primeira vez, para o meu deleite.

Apesar de não saber escrever nem dominar completamente o idioma pátrio, sou uma leitora assídua, desde os meus seis ou sete anos de idade. Minha mãe, Antonia Souto, foi bibliotecária da antiga Biblioteca Pública. Seu acervo particular de livros e revistas era invejável. Li tudo o que pude, principalmente, às escondidas, porque não eram leituras para alguém do meu “tope”. Assim diziam.

Algumas vezes, em todos esses anos, rejeitei ler várias obras, até de autores muito famosos. Ao chegar à segunda ou terceira página, desvanecia-me: “Não vale a pena”. Porém, em “Vivenciando Passos,” logo no primeiro capítulo (pag.19) vislumbrei minha Pasárgada; aquela Pasárgada de Manuel Bandeira, não a de Ciro II.

“Era um belo e saudável lugarejo; simples, mas um lugar onde se apreciava o sol nascer e o sol se pôr. QUANTA BELEZA se via naquele pequeno lugar! O luar, que lindeza! Quando se olhava para o firmamento, viam-se as estrelas, sempre brilhantes, embelezando a abóbada celeste, graça dada pelo SER SUPREMO – DEUS, o pintor desta bela natureza. A LUA. Lindo luar!” (Sic)
...
“O povo daquele lugarejo era gente pobre, muito simples, humilde, negros serviçais, em sua maioria, mas com grandes qualidades: honestos, bondosos, respeitadores e amigos.
Trabalhadores na agricultura e na pesca viviam no litoral onde há fartura no mar... O litoral é uma riqueza! É deslumbrante!”.
... “À tardinha, o arco-íris com suas sete cores resplandecendo a tarde maviosa, cheia de beleza”.
... “Você já teve essa oportunidade de observar o firmamento? Já teve oportunidade de se deitar na areia da praia e observar essas noites maviosas?” (Pag. 20)

E a sensível narradora lamenta o fato de os moradores urbanos não despertarem para olhar o céu iluminado por estrelas luzentes.

“Naquele pequeno lugar tudo era grandioso porque ali a riqueza maior de seu povo era a harmonia que havia entre os moradores, harmonia na beleza da CRIAÇÃO DIVINA. A NATUREZA. Lá se respirava, se alimentava, se vivia realmente em condições mínimas de vida; água, luz (natural), alimentação, moradia, choupanas, mas todos tinham seu pedacinho de terra caído do céu.
Os habitantes da região sobreviviam, a maioria, de caça, pesca, pecuária e agricultura. A vegetação era exuberante, embora, predominando a do litoral... Sendo zona litorânea, a pesca era a preferida, desde o camarão, a lagosta, o caranguejo, os peixes de toda espécie, mariscos à vontade”.

Caríssima escritora Nirvanda Medeiros
Diante desta paisagem - mãe generosa de tantas pessoas dignas da palavra “gente”-, minha Pasárgada gritou forte e encontrou Manuel Bandeira com os versos que eu  gostaria de haver dito bem antes dele.
“E como farei ginástica /Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo/Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!/E quando estiver cansado
Deito na beira do rio/ Mando chamar a mãe-d´água
Pra me contar as histórias/Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar/Vou-me embora pra Pasárgada”.

Vou sim, Nirvanda Medeiros! Vou encontrar o casal Dona  Felismina e Sr. Joaquim, naquela casa de taipa, coberta de palha, mas alpendrada, grande, onde, possivelmente, ela, a professora rural, sem formação acadêmica, ensinava aos meninos a ler e a escrever, destinando-lhes um olhar maternal e complacente, e um pedacinho de bolo de milho, de sua última fornada.
Depois, irei encontrar o Sr. Joaquim, lá pelas dunas, e ajudá-lo-ei a plantar em cima dos morros, enquanto apreciarei o seu vigor, a sua Inteligência, coragem, desprendimento, bondade e honestidade, pois esses atributos o fizerem granjear a afeição de todos os moradores, que o admiravam pelos seus dotes e dádivas.
Dona Felismina certamente terá algo para ensinar-me, enquanto estivermos tomando um café torrado, em casa, coado no saco longo e estreito. Ensinar-me-á algo que os mestres catedráticos não o fizeram por desconhecer a riqueza da cultura e a sabedoria do povo de lugarejos perdidos no mapa. Quem sabe, ela me fale da raiz dos caminhos, mas isto, eu já conheço. Ou me fale do grito da noite que troveja sem chuva, quando alguém vai morrer.
No Capítulo “O Casal”, a narradora, segundo Victor Hugo, vaticina: “A verdadeira felicidade consiste em ter sempre o que fazer, alguma coisa que se esperar e alguém para amar”.
Joaquim e Felismina, órfãos de mãe, desde a infância, cresceram sem traumas e se dedicaram ao ofício da retidão de caráter, da bondade demasiada e do trabalho árduo que se comprova nas seguintes palavras da autora:

“Esse casal transmitia a felicidade, revelando, através de suas vivências, harmonia, riqueza espiritual, doçura, simpatia, simplicidade, sorriso, amabilidade, paciência, humildade e muita dedicação”.

“Vivenciando Passos” é uma obra imprescindível de leitura, haja vista notarmos em suas páginas enriquecidas por profundas lições de amor ao próximo, com alguns enxertos de preciosos textos de notáveis escritores universais, a ausência dos graves conflitos da humanidade que se perde entre a violência, drogas, sexo, crimes, ganância, guerras, traições e fanatismo. 
Em “Vivenciando Passos”, não há sequer um episódio nefasto. Ali, as pessoas só sabem amar.

“Vivenciando Passos” é a Pasárgada de cada homem sedento de paz e de amor.
Joaquim e Felismina jamais deveriam morrer, porque desta semente o Mundo carece.
 Aplausos, aplausos!
Aplaudo-a de pé, escritora Nirvanda Medeiros!                                 

Você pôs a nu sua alma! Você desnudou virtudes que a maioria dos homens ignora, porque são frágeis, covardes, porque não sabem amar, são egoístas, vingativos, ambiciosos, perdulários, adúlteros, mentirosos, criminosos, enfim, criaturas sem amor a 
Deus, nem ao próximo nem a si mesmas.

Você, grande escritora Nirvanda Medeiros, é uma pessoa feliz, vez que já vive intensamente na minha tão sonhada Pasárgada que talvez eu esteja ainda muito longe de conhecer.
Que Deus esteja sempre contigo.


Muito obrigada.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

A INTENÇÃO DO SILÊNCIO - NOVO LIVRO DE ZINAH ALEXANDRINO



Zinah Alexandrino lançou, em festa memorável, no Náutico Atlético Cearense, mais uma obra sua. Dessa vez, "A Intenção do Silêncio" (contos). Era grande o número de amigos e escritores que para lá acorreram a fim de prestigiá-la.


Arleni Portelada conduziu o cerimonial, com a elegância e desenvoltura de sempre.

Apresentou-se, em primeiro lugar, a escritora Fátima Lemos que leu um dos poemas de Zinah, constante do livro "Sutilezas".


Em seguida, a escritora, imortal da Academia Lavrense de Letras, Rosa Firmo, fez a apresentação do livro, com muita propriedade, enaltecendo a desenvoltura da Autora estreante na ficção curta.


Leiamos o que falou a apresentadora:

Boa noite

Senhores e senhoras escritores e poetas aqui presentes e toda esta plateia de convidados. Representados pela presidente da AJEB/CE Nirvanda Medeiros. 

       Invocando os deuses do Olimpo, abro as cortinas desse palco móvel para apresentar a “Intenção do Silêncio” de Zinah Alexandrino, que marca estreia com sua obra ficcionista.
     Muito criteriosa, Zinah Alexandrino adentra um mundo imaginário repleto de imagens e símbolos para construir seus contos. O livro traz uma sequência de histórias curtas e criativas, que nos levam a uma viagem por lugares simples de pessoas comuns.  A narrativa entusiasmante nos permite ler, de uma tomada só. A autora reuniu vinte e três contos, ou melhor, “causos” extraídos das suas entranhas, como ela mesma diz: alguns destes escritos ainda rememorando outras épocas, originárias do pequeno mundo que lhe povoou a infância; a bela cidade de Amontada. Nesse gênero, classicamente, diz-se que o conto se define pela sua pequena extensão. Dessa forma, Zinah Alexandrino contempla essa assertiva com as metáforas e o jogo simbólico do imaginário. São contos concisos, de onde saltam signos coloridos de estética e uma dosagem cômica, que lhe é peculiar.
   Zinah tem por temática, nos seus contos cuja descrição dá um caráter regionalista, engraçado; os personagens, estes vão adquirindo uma nova feição, diante de sua versatilidade. O cotidiano perpassa os seus textos, e deles emergem os questionamentos maiores, principalmente a vertente humorista, como bem observou a escritora Evan Bessa, no prefácio do livro. Os personagens da Zinah são homens e mulheres do sertão ou das cidades pequenas do interior cearense, até mesmo as do exterior. Seu condicionamento sempre direcionado para a arte de contar histórias é um reflexo do seu caráter e de seu feitio interior: de uma mulher alegre e habilidosa que sabe conquistar amigos com maestria.
  Zinah é poetisa e contista porque se faz ela mesma com toda sua essência de mulher, sonhadora e gestora de sua arte, porque assume com estilo e com desprendimento a postura de uma artista da palavra. Na sua simplicidade reconhece que é uma mulher ousada, porém transcende esta ousadia no momento em que sua verve gesta mais uma obra e que, num repente se faz luzir neste belo livro de contos: “A Intenção do Silêncio”.
  Curioso perceber como tal pluralidade aparece estruturalmente, considerando a natureza literária diversificada que é produzida por Zinah no seu livro de contos, como um objeto visual que apresenta contos sucintos, seguindo criteriosamente a regra desse gênero. No conto: “Ensimesmada” a contista monta o cenário que irá excursionar. (Nas cálidas madrugadas...) O tempo e o espaço, o fazem escutar a voz do silêncio que se derrama e leva a questionar o enigma da intenção".
   A coleção de contos selecionados pela autora para compor este livro demonstra que é uma pessoa criteriosa e criativa, pois escreve sobre o cotidiano, num tom solene. Quem afirma é a professora e escritora Arminda Serpa.
  Sabemos que a narrativa é privilégio da maturidade, e Zinah utiliza-se desse recurso para narrar seus contos com segurança, pois o conto é considerado o gênero literário da concisão. Portanto, faz-se necessário “o retiro do silêncio” para mergulharmos na leitura dos contos da Zinah.
 Percebe-se, pois, que “Intenção do Silêncio”, este livro de contos, nos leva para momentos de deleite, sem, porém, ofuscar o valor literário preservado nas páginas consistentes das curtas narrativas.  “Viver é, pois, construir uma história que, mesmo não tendo acontecido, passa a acontecer”( Batista de Lima).
  A autora é uma mulher versátil e inteligente, integra a Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil sessão Ceará, AJEB. Academia de Letras dos Municípios do Ceará - ALMECE, Academia Feminina de Letras do Ceará – ALFECE e ainda ao grupo Poetas Del Mundo. Tem livro publicado de poesia, a saber: “Sutilezas”. Tem participação em diversas coletâneas cearenses e nacionais. Ela circula no meio literário cearense revelando-se como excelente poetisa e presta culto em diversas entidades.
       Considero uma grande honra o convite da amiga poetisa e contista, Zinah Alexandrino, para tão nobre missão, que é a de apresentar o seu livro, pois trata-se de um filho que brotou do seu íntimo; um objeto valioso o qual só entregamos a alguém de nossa inteira confiança. E Zinah me confiou. Por isso o faço com o coração transbordando de carinho e gratidão. Parabéns, Zinah, por enriquecer a literatura cearense com sua nova obra que ora dedica aos leitores.
 Muito obrigada.
Rosa Firmo


Ao final, a Autora fez os agradecimentos, dizendo de sua alegria por ter seus amigos ali, nessa hora de extrema felicidade. Eis o que falou Zinah:



                                               Boa Noite a todos!

                   Agradeço ao meu Deus, por mais essa oportunidade, que Ele me dispensa, na feitura de mais uma obra de minha lavra. A presença carinhosa de todos os meus pares das lides literárias, meus amigos, e meus amados familiares, que, com suas presenças me honram no lançamento deste livro, “A Intenção do Silêncio”. E, como tudo nessa vida sempre fazemos com uma intenção, vejo aqui que minha intenção ultrapassou o limite das minhas expectativas com relação ao número de convidados aqui presentes. A vocês meu muito obrigada por suas presenças. Sejam todos bem-vindos!
            Agradeço ao meu editor da  Premium Editora, Assis Almeida, e sua dileta esposa, Rose, pela publicação de mais um livro meu, eles que sempre me acatam para as minhas edições, com tão  afável  deferência. A  princesa dos poetas cearenses, a escritora Giselda Medeiros, pela proficiente revisão ortográfica. A escritora e professora de Literatura  da UECE, minha confreira na AFELCE –Academia Feminina de Letras do Ceará, a querida amiga, Arminda Serpa, pela magnífica apresentação da orelha desse livro que, para mim, ela é nada mais, nada menos que uma grande decifradora de textos, ou seja, uma “Roland Barthes de saia”... A  escritora, e também minha confreira da AFELCE e grande amiga, Evan Bessa, pelo esplêndido prefácio. A  minha querida amiga e colega Ajebiana, a escritora Lavrense, Rosa Firmo, pela esplendorosa apresentação desta obra. A minha amiga, a competentíssima escritora e cerimonialista, a nossa querida Arleni Portelada, por conduzir este evento com a proficiência que só ela é capaz de realizar, com a desmedida  desenvoltura de sempre. O apoio da nossa Presidente da AJEB- Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil, a escritora Nirvanda Medeiros, e ao Clube Náutico Atlético Cearense, na pessoa de seu Diretor, Dr. Pedro Jorge Medeiros, e demais  administradores, por ter-me cedido este maravilhoso espaço. Enfim, a todos aqui citados, meu muito obrigada.
         Queridos, iniciei-me na escrita da prosa, no  gênero conto, e, depois, parti para o verso, publicando meu livro inicial, “Sutilezas”. E, agora, lhes trago a lume, este livro, “A Intenção do Silêncio”, onde conto, reconto causos, estórias inventadas pelas minhas vivências, nas de outrem, no real, ou no ficcional, mas eu juro! Que qualquer semelhança destes contos com a vida real,de quem quer seja, terá sido, puramente,uma grande e mera coincidência!

ZINAH E SEUS CONVIDADOS














terça-feira, 14 de outubro de 2014

PEREIRA DE ALBUQUERQUE ENTREGA AO CEARÁ UM NOVO LIVRO


O auditório da Associação de Aposentados Fazendários Estaduais do Ceará - AAFEC - foi palco para o lançamento do livro "De Mim e de Outros", de autoria de Pereira de Albuquerque.
Em manhã concorridíssima, a cerimonialista Arleni Portelada abriu a sessão literária, falando sobre o acontecimento e sobre o Autor, para, em seguida, dar a palavra à escritora Giselda Medeiros, que fez a apresentação da obra.
Assim se expressou a apresentadora:


DE MIM E DE OUTROS – UM LIVRO OUSADO
Giselda Medeiros

Iniciemos a apresentação deste livro com as palavras do próprio Autor:

“Em boa parte das páginas que se seguem, há sérios motivos para controvérsia. Com efeito, o livro de ensaios (não seriam crônicas ou artigos?) que entrego agora ao público cearense, é mesmo polêmico em várias passagens. Aliás, para um e outro leitor mais apressado, parecerá pretensioso, embora os termos em que foi escrito não autorizem esse juízo. ‘De mim e de Outros’, portanto, nada tem de bombástico. É, quando muito, um livro corajoso”.

Evidentemente, corajoso não é o livro, para desfazer a metonímia, corajoso é o próprio Autor que exercita o arrazoado pensamento de Nelson Werneck Sodré (1911 – 1999, militar e historiador brasileiro), ao judiciar: “Aquele que não tem condições para enfrentar a verdade e proclamá-la, sejam quais forem as consequências, não tem condições para ser escritor”.

Constatamos essa verdade ao longo da leitura dos ensaios de Pereira de Albuquerque e, mais, intuímos que o Autor dispensa atenção especial aos valores nacionais, sem desprezar a boa literatura estrangeira, sua importância, desde que o escritor esteja comprometido com a realidade com a qual está lidando. Mostrar o máximo possível de responsabilidade e seriedade ao desenvolver seu trabalho é indispensável, uma vez que ele vai assumir o importante papel de um formador de opiniões.

Notamos, outrossim, nos ensaios de Pereira de Albuquerque, a contundente capacidade que lhe é inerente de trabalhar as palavras, sob um estilo sóbrio, elegante, eclético, em que suas impressões da realidade avultam-se claras, evitando a forma deturpada ou enviesada, sem esconder fatos, tampouco, submeter-se a exigências de outros, carentes de loas, para ostentarem sua falsa grandeza. Não!  Pereira de Albuquerque possui caráter e senso de responsabilidade.  E é essa a verdadeira natureza do escritor, já que é ele um agente ativo, formador de consciências.

Ler, portanto, ensina-nos o Autor de “O Ridículo das Coisas”, não é apenas um passatempo, mas a oportunidade de se adquirir conhecimentos, de se tornar, também, um crítico da realidade que nos circunda e da sociedade na qual estamos inseridos. Por isso, sua sensibilidade artística sempre atenta ao fato de que ele, escritor, é parte indissociável de um contexto sociopolítico e cultural, do qual deve participar ativamente, sentindo-lhe as mudanças, para ensejar ao leitor reflexões sobre o seu papel junto à coletividade. E sabe o bom leitor que por trás da arte de escrever há um discurso, uma visão de mundo a ser apreendidos.

Pereira de Albuquerque, como escritor polígrafo que é, deixa o leitor na comodidade necessária, uma vez que, em sua poesia, seus contos, suas crônicas, trovas, seus romances e ensaios, mediante estilo agradável, linguagem clara e bem trabalhada, dá-nos prova de sua invejável cultura. Há em seu texto um desenrolar contínuo de assuntos e ideias, expondo variados temas: a literatura, as questões religiosas, metafísicas e filosóficas, os mandos e desmandos da política, a crítica literária, a desigualdade social, os malefícios do preconceito, dentre outros, acrescentando, ainda, as investidas em sua própria condição de ser humano, desnudando-se diante de seu leitor.

Constate o leitor, diante do que expusemos até aqui e do que comentamos sobre seu livro “O Ridículo das Coisas” (Fortaleza: RBS Editora, 2005), que Pereira de Albuquerque já deixava extravasar, à época, inegável talento para a arte de escrever. Vejamos: “Ressalte-se nele o engenhoso trabalho das ideias, nas quais põe o seu abalizado conceito, resultado da riqueza das leituras que fez (e que faz) de grandes autores da nossa literatura e da universal. São conceitos, em sua maioria, levantadores de polêmicas, aos quais ele sabe imprimir o seu ponto de vista, sem querer, contudo, impingir-nos a aceitá-los. Antes, conduz-nos, discretamente, a uma reflexão para, daí, tirarmos as nossas próprias conclusões”.

Comprova-se essa verdade, ao recebermos hoje o seu décimo primeiro livro, tendo outros, ainda, à espera do nascimento. E note-se o crescente desempenho artístico do Autor de “O Lado Obscuro do Amor”, a cada livro publicado.
E, para finalizar, evocamos o advogado, jornalista, político, diplomata e poeta carioca, Francisco Otaviano. Em seu poema “Ilusões de Vida”, está bem definida a trajetória percorrida por nosso querido escritor Pereira de Albuquerque:

 “Quem passou pela vida em brancas nuvens
E em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu,
Foi espectro de homem - não foi homem,
Só passou pela vida - não viveu.”

Recomendamos, pois, a leitura do livro “De Mim e de Outros”. Você vai fazer uma extraordinária viagem cultural.
Obrigada


Ao final, Pereira de Albuquerque fez seus agradecimentos, de forma inusitada. Recorreu aos versos e às rimas, deixando que a Poesia conduzisse suas palavras.




NUMA NOITE DE AUTÓGRAFOS


Como é bom relancear o olhar e ver
lotar este auditório o povo amigo
que se dispôs a partilhar comigo
esses doces momentos de lazer!

Antes de qualquer coisa, é meu dever
agradecer assim, com metro e rima,
pois vão comprar meu livro e, ainda por cima,,
é quase certo que o pretendem ler.

O livro, esse objeto encantador,
nem só de tinta e de papel é feito,
e só merece a láurea de perfeito
quando instrui ou diverte o bom leitor.

Oxalá possa o meu livrinho amado
merecer de vocês desvelo e estima...
ele não é, decerto, uma obra-prima, 
mas foi escrito com o maior cuidado.

Por isso o leiam sem afobação,
de esp'rito aberto e vagarosamente;
não há maneira mais eficiente
de saber quando um livro presta ou não!

Leiam, pois, por bondade, o livro meu;
de outro modo, é preciso ter em mente
que, para o homem de bem, não é decente
falar mal de uma obra que nem leu.

Leiam-no, que isso me trará conforto,
a mim, o autor feliz, pois é sabido
que um livro só tem vida se for lido;
e eu não quero que o meu já nasça morto.

Digam, depois, o que vos aprouver:
que é fraco, é feio, é pobre e sem proveito,
mas ninguém venha me apontar defeito
sem ter lido uma página sequer!

"De mim e de outros" tem... Ora é tolice
tomar mais tempo de vocês - é espinho!
Falar... dizer o quê do meu livrinho,
depois de tudo que Giselda disse?!

E ela sabe o que diz. Em Fortaleza
não conheço escritor melhor do que ela...
Quem quiser reclamar, reclame dela,
se é capaz de arrostar uma "Princesa"!

"de mim e de outros" me custou suor;
mas, se ainda assim, não agradar ninguém,
já me sinto perdoado; e, ano que vem,
tratarei de escrever coisa melhor!  







16/9/2014

sábado, 27 de setembro de 2014

REUNIÃO DA AJEB-CE DE 16 DE SETEMBRO DE 2014



A Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil - AJEB-CE - promoveu mais uma movimentada reunião mensal. 
Dessa vez, a Presidente Nirvanda Medeiros trouxe na pauta da reunião vários assuntos que foram repassados a seus associados.
Dr. Raimundo Edson Caledônio foi o conferencista do dia, que apresentou uma resenha do seu livro "REIpública FEUderativa do Brasil", tendo sido muito apreciada por todos os presentes.


Ao final de sua fala, a Presidente Nirvanda Medeiros fez-lhe a entrega de Diploma de Honra ao Mérito.




Em seguida, a ajebiana Francinete Azevedo fez os agradecimentos ao palestrante em nome da AJEB-CE.


Na sequência da pauta, apresentaram-se alguns dos nossos associados, com trabalhos de sua autoria. O Sócio Colaborador Cícero Modesto expôs um trabalho feito em Trovas.


Dando sequência, a escritora Lucineide Souto leu um ensaio, de sua autoria, sobre o livro de Nirvanda Medeiros "Reconstruindo Passos".



Celma Prata, editora do Jornal AGROVALOR, teceu comentários importantes a respeito de um livro de sua autoria.


Falaram ainda Socorro Cavalcanti e Deusdedit Rocha elogiando a palestra apresentada.




Sônia Nogueira e Clara Lêda apresentaram poemas de sua autoria. 
Foi uma manhã de muitas atividades e bastante concorrida.
A Presidente Nirvanda Medeiros concedeu um Voto de Louvor ao Sócio Colaborador Pereira de Albuquerque que, nesse mesmo dia e horário, lançava seu livro "De Mim e de Outros", apresentado pela nossa Presidente de Honra Giselda Medeiros.

Fortaleza, 16/9/2014