DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

terça-feira, 30 de abril de 2013

APRESENTAÇÃO DE POLICROMIAS VOLUME 7 - HERMÍNIA LIMA

POLICROMIAS


Inicio as minhas palavras, como não poderia deixar de ser, agradecendo à escritora e amiga Giselda Medeiros pelo convite para estar aqui com vocês e, especialmente agradeço, pela confiança de me delegar tarefa tão importante como esta. Espero fazer jus ao crédito de Giselda.
Dou continuidade à minha fala, tomando por empréstimo as palavras do dramaturgo e poeta russo Bertold Brecht, que, em versos, cantou assim:

Nos demais,
todo mundo sabe,
o coração tem moradia certa,
fica bem aqui no meio do peito,
mas comigo a anatomia ficou louca,
sou todo coração.

É exatamente assim que vos falo agora, sentindo-me toda coração. Esta afirmação vale também para definir o modo como eu li este número de Policromias. Diante da riqueza e diversidade dos textos contidos no volume, optei por me dar o prazer de fazer uma leitura movida pela emoção, li, portanto, com o coração, desnudei-me das armas da crítica técnica, deixei de lado a racionalidade própria do julgamento acadêmico e lancei-me prazerosamente no embalo dos textos, como leitora comum que se delicia com as  surpresas ofertadas em cada página.
Ao pensar no que escreveria sobre este volume de Policromias, deparei-me com algumas dificuldades, entre elas, destaco as seguintes: como escrever sobre coletânea tão diversificada? Como ordenar o meu discurso de modo a não comprometer a clareza diante de tantos gêneros e temas? Como não ser injusta nos destaques e citações? Confesso que, a princípio, a vontade primeira foi comentar cada um, um por um, os textos da coletânea. Mas, jamais poderia fazê-lo para um discurso de apresentação, com certeza, se assim o fizesse, neste momento, eu os estaria submetendo a um texto muito longo e de leitura enfadonha. Assim sendo, optei por agrupar os textos em dois blocos, pelos gêneros: poesia e prosa. Facilitando assim a minha abordagem e citando rapidamente os nomes em destaque em cada um dos gêneros.
 Antes de comentá-los, porém, é indispensável que aqui se faça uma referência às figuras de Mundinha Negreiros e Aluísio Matias de Paula, homenageados na folha de rosto deste volume. Ela professora e sócia efetiva da AJEB-CE. Autora de várias obras, entre elas, os romances: Eudora, Trilhas da Saudade, Manoela e Amanhã Será Outro Dia, este último, em parceria com a escritora Nilze Costa e Silva. Ele, Aluísio Matias de Paula, Membro da Associação Cearense de Imprensa e da União Brasileira de Trovadores – Fortaleza. Sócio Colaborador da AJEB. Sócio Benemérito da ALMECE. Autor dos livros: Mensagens para a vida e Memórias em Poesias, dentre outras publicações em coletâneas locais e nacionais. Aos dois homenageados, deixo aqui o registro da minha referência.

Também não poderia deixar de destacar, antes de mergulhar no corpus desta coletânea, as palavras de Cecília Meireles que epigrafam a obra:

Adormece o teu corpo com a música da vida.
Encanta-te.
Esquece-te.
Tem por volúpia a dispersão.
Não queiras ser tu.
Queira ser a alma infinita de tudo.
Troca o teu curto sonho humano
Pelo sonho imortal.

Parece-me que este fragmento, muito bem escolhido, além de adequar-se a várias circunstâncias de vida, adequa-se também à tarefa do escritor. Tarefa à qual se dedicam todos os que publicam nesta Policromias. Escrever, como diz Cecília, tem a ver com entregar-se à música da vida, escrever é encantar-se, é esquecer-se de si mesmo e deixar-se levar pela volúpia da dispersão, escrever é deixar a pequenez de ser apenas humano e buscar a imortalidade pelas palavras. Os versos de Cecília aqui destacados, caem bem a todos os participantes deste volume. E com estes versos, por meio da voz dessa grande poetisa brasileira, eu homenageio e saúdo nesta noite a todas as jornalistas escritoras, parabenizando-as por fazerem parte desta associação, AJEB, nos seus 43 anos de existência. Sem esquecer a participação masculina neste volume, mas lembrando que estou a referir-me a uma instituição composta predominantemente por mulheres, cabe aqui também, para homenagear esta maioria, invocar as palavras de Cora Coralina, quando ela nos diz: Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores. Penso que é isso também que vocês fazem quando escrevem, vão escalando a montanha da vida, removendo as pedras que aparecem em seus caminhos, como aquela pedra no caminho de Drummond, pedras que aparecem em suas rotinas de profissionais, de mães, de donas de casa, de escritoras; mas, ao mesmo tempo, vocês vão plantando flores, enquanto escrevem e semeiam, com os vossos textos, a beleza, a vida, o viço, o perfume que ameniza a dureza das pedras do dia-a-dia. Neste sentido, posso afirmar que os seus textos, metaforicamente, são flores, porque eles enfeitam, perfumam e anunciam as sementes para a boa vida. Digo isto simplesmente por não acreditar em vida de qualidade, no sentido maior da palavra, sem a presença da arte, da literatura em geral e da poesia, em especial, porque elas nos conduzem à reflexão e ao engrandecimento humano.

Voltemos, pois, ao essencial: os textos que compõem a Policromias. Neste volume temos um total de cem textos, em autorias femininas e masculinas. Como já anunciei antes, para abordá-los, agrupei-os por gênero, em dois grandes blocos: poesia e prosa. Inicio, pois, pelos textos em versos. Começo mencionando o lirismo romântico de Giselda Medeiros, com seus poemas de amor e de amor à poesia. Em seguida, deparamo-nos com as palavras de Maria Nirvanda Medeiros que usa o verso para fazer homenagens fraternas a entes queridos. Rejane Costa Barros oferta-nos um poema no qual revela um canto amoroso em forma de chamado na voz de um eu lírico feminino que se metaforiza em estrada a ser percorrida. Tereza Porto, em um lirismo ora calmo, ora ofegante,  oferece-nos poemas de entrega e de vigília nos lençóis. Enquanto Maria Helena do Amaral Macedo fala de silêncios e saudades na casa vazia e no piano mudo. Maria Ilnah Soares e Silva, em suas poesia e prosa poéticas, reflete sobre um amor, uma prece, um rio, uma noite e sobre a paz. Em prosa e verso também, temos os textos de Ana Paula Medeiros, a cantar o amor erótico no qual a carne espera e entra em erupção. E, embora não sendo poesia, mas, já que citei a autora, merece aqui destacar também e recomendar a leitura do conto “O casamento”. Margarida Alencar nos fala de volta, de retorno, de reencontro com um lugar que é aconchego e afago, num outro poema eleva um canto de saudação ao vento. Regine Limaverde, no texto aqui publicado, optou pela reflexão filosófica, em versos que falam de grandes silêncios e do maior de todos eles: a morte. Rosinha Medeiros, em três poemas, derrama declarações intensas ao amado. A poesia de Mary Ann Leitão Karam revela um eu lírico que assume sofrer por amor e por saudades. Nos versos de Nadya Gurgel, há uma reflexão metalinguística que faz reverência à própria poesia. Em seguida aos versos de Nadya, acompanhamos a visita noturna de uma coruja que se fez mote para o poema de Nilze Costa e Silva. São de Rosa Firmo Bezerra Gomes os poemas que fazem exaltação alusiva ao Natal e ao sertão. Em um gesto poético fraterno, Sabrina Melo homenageia à mãe e filha. Seguindo a vertente da reflexão existencial, Viviane Fernandes nos fala de vida, do amor e da morte. Enquanto Regina Barros Leal, em suas introspecções, apresenta-nos uma mulher a desnudar-se diante de si mesma. O lirismo amoroso de Rejane Costa Barros, em O Jogo, aclama a excentricidade de um time composto por apenas dois participantes, que, na verdade, são amantes. Temos ainda Sabrina Melo que, no poema A pipa, evoca uma reminiscência de infância. Por fim, para encerrar esta seção de mulheres poetas, lembro os versos de Clara Lêda de Andrade Ferreira que se fazem protesto ecológico a favor do sofrido e aviltado Rio Cocó.
Ainda nesta seara poética, surgem as autorias masculinas: Eduardo Fontes que filosofa sobre a vida e a morte por meio da personificação de uma árvore. A relembrar os nossos cordelistas, embora não seja um cordel, temos as quadras de Humberto Ferreira Oriá, a nos falarem de lua, de vida, de fé e de virtudes. Nos versos de Manuel César revela-se um canto ao amor fraterno e a denúncia contra o desmatamento. Vicente Alencar faz uso do verbo para louvar a natureza e a antiga Fortaleza. Sérgio Macedo invoca Epicuro e desenvolve a vertente da reflexão filosófica nos quatro poemas que publicou.
Nesta produção poética masculina ainda destacam-se como sonetistas, em temas variados: João de Deus Pereira da Silva, Vital Arruda de Figueiredo, J. Udine e Moacir Gadelha.         Aplausos aos sonetistas, pois sabemos o que é exigido do poeta que se dedica a escrever um bom soneto. E assim bem o diz Udine em sua Carpintaria poética.
Deixemos agora os poetas e poetisas e falemos dos prosadores. O texto inaugural da obra é uma crônica de Beatriz Alcântara, um texto de memórias, a recordar o Grupo Seara, Amizade e Literatura. Nele, a autora nos conta a história da criação da Revista do Grupo Seara. No gênero ensaio, Ebe Braga contribuiu para a publicação com o texto sobre Francis Bacon que vem seguido de duas crônicas sobre a criação da mulher e o Natal, ambas da autoria de Maria Luísa Bomfim. Zenaide Braga Marçal faz denúncia ecológica e reflexão sobre a guerra a partir de visão poética da Esquadrilha da Fumaça em Fortaleza. Ma. do Carmo Carvalho Fontenelle nos oferta a crônica-conto do chinês, o notívago cancioneiro que sensibilizou as minhas memórias de infância com cheiros de candeeiros e canções antigas. Maria Evan Gomes Bessa exalta a prática da fé e a alvissareira chegada das chuvas de abril, presença que desejamos tanto nesta Fortaleza quente dos dias presentes. Passeamos pela beleza da serra de Baturité em busca do casarão da família Magalhães Bezerra no texto de Ma. Argentina Austragésilo de Andrade. Ednilo Soárez, por meio da intertextualidade, leva-nos também à reflexão filosófica sobre a felicidade. Marcelo Gurgel Carlos da Silva brinca jocosamente, numa crônica bem humorada, com o episódio de instalação do estaleiro na praia do Titanzinho. Abordando um tema bem atual Celina Côrte Pinheiro versa sobre redes sociais numa analogia com as redes de pesca e trata também dos temas: prostituição e violência urbana. Zinah Alexandrino toma uma ocorrência cotidiana como mote da sua crônica: a renovação da carteira de motorista. Por sua vez, Heloisa Barros Leal elege a noite por confidente, personificando-a e fazendo com ela uma reflexão existencial. A liberdade metaforizada em forma de borboleta revela reflexão sobre o cotidiano das mulheres na crônica de Rafaela de Medeiros Ribeiro. Em sua crônica Cláudio Queiroz declarando-se neófilo do sertão e saboreando o balanço de uma rede, reflete sobre a vida em geral e sobre a vida sertaneja. José Pereira de Albuquerque, pesaroso, em um texto comovente, narra o trágico acidente que vitimou um vizinho quase amigo, o Cavalheiro do Ar, major Lindemberg. Rosa Virgínia Carneiro de Castro, em seu ensaio biográfico, por meio da citação de grandes filósofos, homenageia o escritor, geólogo e sanitarista Bernivaldo Carneiro. Sílvio dos Santos Filho versa, em tom filosófico, distinguindo os valores das coisas e das pessoas. Ma. Ida Francisco de Carvalho transporta-nos a uma noite de réveillon e põe em cena um jogo de xadrez que é metáfora da própria vida. Por fim, lembremo-nos do discurso de José Augusto Bezerra cujo texto foi escrito para comemorar o 118º. aniversário desta Academia. Neste texto, José Augusto não só retoma a história da Academia, mas a complementa com o registro dos acontecimentos do ano de 2012. E lamenta, pesarosamente, duas perdas irreparáveis para esta Casa: Barros Pinho e José Alves Fernandes. Aos dois deixo aqui também a minha homenagem.
Concluo dizendo que esta breve síntese que fiz agora não expressa a totalidade nem a riqueza de todos os textos publicados; entretanto, como já disse antes, seria inadequado estender o meu comentário para além deste limite. Assim, mais uma vez, parabenizo a todos e a todas que participaram deste sétimo volume de Policromias e, novamente, agradeço à oportunidade de poder partilhar com vocês este momento.

Hermínia Lima
23/4/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário