DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A Poesia de Evan Bessa - por Giselda Medeiros


O Tempo e a Vida na Poesia de Evan Bessa

            A poesia, na concepção de Octavio Paz, é o pão dos eleitos. Convite à viagem; (...). Súplica ao vazio, diálogo com a ausência; é alimentada pelo tédio, pela angústia e pelo desespero. Oração, litania, epifania, presença.
            Partindo destas considerações, que se coadunam com o que encontramos na poesia de Evan Bessa, temos a imensa satisfação de apresentar-vos A Vida nas Asas do Tempo, trazendo-nos a palavra percuciente das escritoras Zinah Aexandrino (nas orelhas), Leda Costa Lima (no prefácio) e Francinete Azevedo (na 4ª. capa).
            A escritora Evan Bessa, já amplamente consagrada no mundo da literatura infantil, com 8 livros publicados, chega-nos com mais uma obra, agora, debutando nas passarelas da poesia. E chega-nos com classe, pisando bem, como quem já conhece os atalhos e desvãos desta tão instigante passarela.
            O tempo, em sua inexorabilidade, a vida e o homem, com seus dramas existenciais, são a matéria-prima, com a qual Evan Bessa constrói seu edifício poético. Quatro pilares o sustentam: “Os Mistérios do Homem, das Águas e do Mar”; “A Vida nas Asas do Tempo”; “Caminhos e Descaminhos do Amor” e “O Mundo, seus Encantos e Desencantos”, todos esses pilares argamassados com a cal das emoções, as areias da saudade e as águas da esperança.
            Logo no primeiro poema, intitulado “Mistério”, já se visualizam, no eu-lírico, os conflitos, a grande agonia do homem por desconhecer-se, sendo levado, por isso, a questionamentos ontológicos diante dos mistérios que nos circundam. Vejamos:
                              
           “O homem, esse ser finito,
            de infinitas incoerências,
            se perde a todo momento
            na busca de sonhos ilusórios.

            Na ânsia de superação,
            vive em eterno conflito.
            Não se acha, não se conhece
            e não entende o mistério.
           
            E sabe a Autora que a existência é uma brutal condenação do homem a um permanente confronto com as cousas inevitáveis, sendo necessário, portanto, um permanente estado de vigilância. Sabe, também, que, para se poder desfrutar a existência em toda a sua plenitude, faz-se mister a busca de novos mundos, ou seja, procurar alcançar a transcendência, o que vai fazer do homem um projeto infinito, dentro de sua finitude. Então, a poetisa desabafa, no poema “Espera” (p. 25):
                              
         “Amargam em mim a dor e o cansaço
          vencidos pela espera
          de quem não sabe desvendar mistérios
          do mar nem do barco que espera.”

            Mais adiante, no poema “Preciso de Você” (p.26), através de uma metáfora e de uma símile bem construídas, ela afirma: “(...) a vida é um redemoinho / e a felicidade é como uma névoa que passa”. Atentemos para os morfemas “redemoinho” e “névoa” que carregam toda uma carga semântica, imagística e significativamente, simbólica. “Redemoinho” converge à dor, insegurança, aflição, sofrimento e morte, tudo o que é, pois, inerente à vida. E “névoa” nos remete a uma visão serena, embora impalpável, fugidia, ambígua. E, consolidada na expressão “que passa”, usada pela poetisa, cristaliza a efemeridade dos momentos felizes e da própria vida.
            O título do livro, A Vida nas Asas do Tempo, já pretende justificar, metaforicamente, a brevidade da vida ante a velocidade do tempo com suas lépidas asas. No poema “O Barco” (p.37), Evan Bessa fortalece ainda mais essa relação tempo/vida/homem, contida nos versos “O barco parte do cais, / levando meus desenganos, /... /”, quando transpõe a fragilidade da vida e do homem exposto à voragem vertiginosa do tempo para o morfema “barco”. Desse modo, a vida é o barco que soçobra sobre ondas, açoitado por ventos, muitas vezes, danosos. É esta metáfora do barco em sua navegação que explica, poética e filosoficamente, o fenômeno da existência: todos vamos neste barco, que é a vida, navegando ao rigor do tempo, rumo ao porto final que nos espera a todos, indistinta e inapelavelmente. Evan dá testemunho disso, quando diz nestes versos:
                              
         “Em que águas mais transparentes
          desembarcou essa barca
          que até a deusa dos mares
          fez festa no desembarque?”

            Depois, lá na página 47, ela conclui, no poema “Indagação”:

          “Tudo se acaba simplesmente.
           A vida, o homem, a matéria.
           E somente o espírito paira sobre o Universo.”

            Contudo, mais adiante, ela ressalva, no poema “Borboleta” (p.48): “Eterno é o fato de poder amar”, passando-nos a lição de que é, verdadeiramente, o amor, em sua plenitude, a célula propulsora da eternidade.
            O poema “Sombra” (p.64), embora pequeno na forma, agiganta-se pela densidade lírica que carrega. Vejamo-lo:

              “No beco da saudade,
               encontrei tua sombra
               refletida no espelho
               da ilusão.

               Parei...
               Voltei no tempo
               e chorei.”

            Também, o social, com seu apelo dramático, faz parte da lira de Evan Bessa. Com a mesma segurança com que trabalha a saudade, o amor, a solidão, o metafisicismo, os temas religiosos e familiares, a poetisa denuncia as grandes injustiças sociais, a violência, a discriminação. Constatemo-lo com estes versos do poema “Sonho” (p.94):           
                               
             “Hoje, li nos jornais notícias devastadoras,
              de violência, sequestro, fome e morte.
              O homem refém de sua própria sorte
              sem rumo, sem prumo, sem norte.”
                
            Em síntese, Evan Bessa, a exemplo de todo criador, procura trabalhar sua palavra como forma de libertação, como alimento necessário, como maneira de superar as dores e angústias existenciais, como uma procura incessante de paz e harmonia. E nós, os outros, com nossas diferenças, por certo, haveremos de chegar ao consenso de que a palavra é, na realidade, a nossa principal ferramenta para a compreensão do mundo e dos seres. E é com ela, a palavra, como assevera Nietzsche, que o homem dança sobre todas as coisas.
            Portanto, Evan, só temos aplausos para você e para sua poesia, que nos chega como “oração, litania, epifania, presença”. E, diante deste evento inaugural, “não há melhor resposta que o espetáculo da vida: / vê-la desfiar seu fio, / que também se chama vida, / ver a fábrica que ela mesma, / teimosamente, se fabrica, / vê-la brotar como há pouco / em nossa vida explodida”.
12/8/2008 
                                     
                  
Giselda Medeiros. Nasceu em Prata (Acaraú-CE). Graduada em Letras. Professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira. Membro de várias entidades literárias, dentre as quais, Academia Cearense de Letras, Academia Cearense da Língua Portuguesa, Academia de Letras e Artes do Nordeste Brasileiro, Sociedade Amigas do Livro, Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil, da qual foi Presidente Nacional (2002/2006). Ostenta o título de Princesa dos Poetas do Ceará. Obras publicadas: POESIA: Alma Liberta (1986), Transparências (1989), Cantos Circunstanciais (1996),  Tempo das Esperas (2000) e Ânfora de Sol. PROSA: Sob Eros e Thanatos (2002) e Crítica Reunida (2007). Detém vários prêmios, dentre eles, “Prêmio Osmundo Pontes de Literatura – Poesia” (1999), “II Prêmio Ceará de Literatura” (1995), “Prêmio Henriqueta Lisboa” (MG, 2003) e Prêmio Lúcia Fernandes Martins de Poesia (2008).        

Nenhum comentário:

Postar um comentário