DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

sábado, 11 de abril de 2015

12 de abril de 2015 - o Domingo da Misericórdia - por Vianney Mesquita



Informação Religiosa Católica – Antigo Domingo Quasímodo (1)

DOMINGO DA DIVINA MISERICÓRDIA, OITAVA OU PASCOELA (2)

Vianney Mesquita (3)

Perante a prova suprema – a da Morte – a fé dos apóstolos havia perigosamente oscilado. Para o homem, a Morte é o desabamento, é o vácuo, e no vácuo nada se reconstitui. Para Jesus Cristo, no entanto, Morte foi um princípio – morrera: era, pois, homem. Ressurgiu: é, por conseguinte, DEUS. (IGINO GIORDANI. * Tivoli, 25.09.1894; +Rocca di Papa, 18.04.1980).

 Hoje, 12 de abril de 2015, flui o Domingo da Misericórdia, coincidente com o derradeiro dia (o de número oito) da Oitava do Tempo Pascal, que perdura por sete semanas, desde o Domingo de Páscoa (ou da Ressurreição) – neste ano, 7 do quarto mês - ao Dia de Pentecoste, palavra significativa de cinquenta, pois perfará a cinquentena, em 14 de junho/15, contando-se desde a descida do Espírito Paráclito sobre os Apóstolos.
 Sob o ponto de vista histórico, é adequado, também, externar o fato de se haver definido outro ritual para a Missa, em 1969, ora vigente, a instâncias do Concílio Vaticano II, que pedira sua revisão, em ato promulgado pelo Sumo Pontífice Giovanni Battista Montini, restando conhecido como Missa de Paulo VI.
 Convém acrescentar, em complemento, a informação de que, com origem na edição da Bula Quo Primo Tempore – “Desde os Primeiros Momentos” - de Pio V (Antonio Michele Ghislieri), consoante às orientações do Concílio de Trento, tinha curso a Missa no Rito Romano ou Missa Tridentina, celebrada em Latim, com o sacerdote de costas para os fiéis, tendo, pois, perdurado de 1570 a 1962, procedente do Breve de São Pio, há pouco mencionado, isto é, até a segunda edição da grande Assembleia Vaticana (o Concílio Ecumêmico Vaticano I se deu de 8 de dezembro de 1869 a 18 do mesmo mês de 1870).
Em adição, também, cumpre exprimir o fato de que, ainda hoje, em várias paróquias anglicanas da Grã-Bretanha – onde a Igreja foi separada (não fundada, como se diz, erroneamente) por Henrique VIII - o Sacrifício da Missa é oficiado em código linguístico do Lácio, de acordo com os lineamentos do Concílio de Trento (Tirol italiano), realizado de 1545 a 1563, sem obediência ao rito missiológico editado por Paulo VI.
Ao vigorante Domingo da Oitava, também, se chama, nomeadamente noutros países e em línguas correspondentes, Domingo da Pascoela, ou Pequena Páscoa (do Aramaico pashã = passagem), como prolongamento da Ressurreição, até derivar no dia de Pentecostes.
Interessante (e curiosa, também) é a antiga denominação de Domingo Quasímodo, expressão de emprego anterior ao Decreto Pontifical de 1969, radicada – coerentemente, é bom exprimir - no introito da Celebração Eucarística da Misericórdia, configurada na antífona do Salmo 117, ao evocar a Ressurreição de Jesus, conforme comentarei mais à frente.
A dicção “Domingo da Divina Misericórdia” alude à compaixão de Cristo a São Tomé, o Dídimo (do Grego = gêmeo), o qual, mesmo sem crer ao não ver, foi por Jesus perdoado. O vocábulo “misericórdia” procede do Latim miser + cordis, isto é, mísero (em estado lastimoso, indigente, digno de penúria) + coração. (CUNHA, A. Geraldo da. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997) .
  Como se sabe, esse Apóstolo não acreditou, ab initio, na Ressurreição, dEla só ficando convencido quando o Mestre apareceu outra vez e lhe mostrou nas mãos os sinais abertos, segurou-lhe as mãos e introduziu os dedos de São Tomé na injúria dos pregos. O Dídimo seguiu, arrependido e contrito, a pregar o Evangelho aos Partos, povo de procedência indo-europeia, e na Índia. Ele foi martirizado em Calamina (hoje Mylapore), perto de Madras (atual Chennai, capital do Estado indiano de Tamil Nadu, quarta cidade do País, com cerca de 6 milhões de habitantes).
 No decurso da história, São Tomé Gêmeo é o protótipo dos que somente creem em algo após terem isto examinado de alguma maneira, como ele pegou, a instâncias de Jesus, as feridas do Cristo. Teve, entretanto, vida de santo por demais intensa e miraculosa, havendo sido, talvez, o único dos doze discípulos de Jesus a assistir à Assunção de Maria Santíssima.
 O dia de São Tomé, ou São Tomás (nome procedente dos arameus), é festejado em 21 de dezembro, venerado que é o (ainda) inexplicado Gêmeo nos países católicos do Ocidente, bem assim no Oriente, máxime na Índia e na Síria, também lugares onde operou prodígios
Retorno ao introito do Salmo 117 – que concedeu nome ao Domingo Quasímodo - proferido na Missa da Oitava, principiado com a frase: QUASI MODO geniti infantis, racionabile, sine dolo lac concupiscites ut in eo crescatis in salutem. Em tradução livre, significa: Tal como (ou “ao modo de”)crianças recém-nascidas, desejai o leite espiritual puro, para que, por ele, possais crescer para a salvação. (I Pe - 2,2).

(1) Penso que, entre outros pretextos de natureza circunstancial, tenha representado peso na mudança o fato de o adjetivo QUASÍMODO haver restado mais conhecido e popularizado na acepção de monstrengo, de pessoa quasimodal, consoante a personagem Quasímodo, do celebrado romance do escritor Vitor Hugo, Nossa Senhora de Paris, editado em 1881. Esse protagonista, feio e corcunda, sineiro da Catedral de Nossa Senhora, na Capital francesa, fora abandonado, consoante o enredo do Escritor, ainda criança, em um domingo de Páscoa, e adotado pelo arquidiácono, da inventiva de Vitor Maria Hugo, na Sé de Paris, chamado Claudio Follo.
(2) Os dados conferidos para este texto procedem de informações de domínio público.

 (3) Vianney Mesquita é professor da U.F.C., escritor e jornalista. Da Academia Cearense da Língua Portuguesa e Academia Cearense de Literatura e Jornalismo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário