DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

terça-feira, 25 de agosto de 2015

O SILÊNCIO, DE ZINAH - POR BATISTA DE LIMA


Zinah Alexandrino lançou em 2014, pela Editora Premius, o livro "A intenção do silêncio". A ficha catalográfica vem acusando ser um livro de contos. Realmente há alguns contos, mas entre os 23 textos há um número maior de crônicas. Esse fato já nos leva a uma discussão sobre a real diferença entre crônica e conto, o que não cabe aqui resolver, tendo em vista que estudiosos, muitas vezes, os definem de forma diferente, e se contradizem, até. A crônica, mesmo sendo narrativa, possui um compromisso com o cotidiano e até com o trivial.
O conto é um desfecho. É uma precipitação. Pode ser uma cena só, compacta. Se passar disso pode virar romance. Não é necessário que tudo seja dito. É muito importante que algo fique em suspenso para que o leitor complemente, ou seja, o não dito tem seu lugar e sua significação no conto. É um silêncio sugestivo. É por isso que Arminda Serpa conclui, no seu comentário no livro, que "todo dizer estabelece uma relação fundamental com o não dizer". Mais à frente, a mesma analista chega a afirmar que "para dizer é preciso não dizer".
No prefácio, Evan Bessa acentua o humor, a ironia e o sarcasmo como as características das narrativas de Zinah. Também poderia ter acrescentado que a emoção é privilégio dos personagens femininos, ficando os homens marcados pela racionalidade. Há uma sensibilidade feminina respaldada pelo cultivo dos rituais, quando os homens agem exatamente ao contrário.
Até nos temas abordados, essa tendência transparece. São conflitos humanos que geralmente se iniciam pelas falhas masculinas. Talvez quando essa marcação cerrada sobre questões de gênero é posta de lado, é quando melhor se sai a narradora. Prova disso é que, no momento em que o fantástico margeia sua história, é quando melhor se apresenta seu conto.
A primeira narrativa que chama a atenção é "A cartomante". Esse tema, recorrente na literatura, já deixa o leitor curioso pelo desfecho do texto. Nesse caso, é a cartomante que sai perdendo, ao ver o marido indo embora com a cliente. Vicente e Vandira se afinam tanto que até os nomes se parecem. Quanto a Madame Ruth, que traz amores de volta para quem a contrata, vai ter que trabalhar muito para resolver seu próprio problema.
Pelo que vai sugerindo o texto de Zinah, dá para se concluir que é caso perdido. Afinal, todo o assédio inicial, através de telefonemas, partiu de Vicente. O que Vandira queria de início era apenas o retorno do pai de sua filha. O destino, entretanto, trouxe-lhe outra ventura.
Outro conto, que concentra uma certa tensão, traz o título "Intenção do silêncio", que coincidentemente é o título do livro. Nesse conto, o não dito é posto em destaque, pois o leitor chega a complementar aquilo que foi apenas sugerido, mas que não está explícito.
Esse leve suspense mexe com o leitor, que muitas vezes precisa ser instigado para que pense alguma coisa que está além do significante textual. Isso, no entanto, não se repete nos outros textos, que primam por uma solução fácil dos enigmas textuais. Os textos de Zinah geralmente são curtos, chegando a uma média de duas páginas cada. Há, no entanto, uma exceção, o conto "O homem que fugia das mulheres", que ocupa quatorze páginas do livro.
É aquela narrativa tirada do baú, escrita quando a escritora, ainda adolescente, queria escrever um romance. Por isso, nele há alguns momentos de singeleza, outros de puro diletantismo da idade, como a cena do casal "deitado na relva", quando se sabe que ambos estão numa caverna por conta da chuva, e que é difícil encontrar relva em tal situação.
Há, no entanto, uma característica marcante nas narrativas do livro. É o tratamento da linguagem. A autora se esmera na correção gramatical, em frases bem lapidadas. Afinal, pedagoga, pós-graduada no ensino da Literatura, era de se esperar esse seu zelo no lado significante textual.
Esse seu segundo livro é um amadurecimento diante de "Sutilezas", poemas de 2006, da mesma Editora Premius. Também há o fato da mudança de gênero, da poesia para o conto, o que faz com que a narrativa saia ganhando, pois a influência poética do primeiro livro termina por transparecer no segundo. Assim, pode-se dizer que merecidamente a autora fez jus às academias a que pertence.
"A intenção do silêncio" é um livro de fácil leitura. Tem seu formato propício à utilização como paradidático, para turmas terminais do ensino fundamental. Pena é que autor cearense não consegue ter essa honraria de ser estudado por aluno cearense. Nossas escolas só têm olhos para autores que venham das grande editoras do Sudeste.
Esse livro de Zinah daria boas discussões entre estudantes do ensino básico. Uma das temáticas seria o tratamento de gênero interposto entre seus personagens. As mulheres são sempre caracterizadas como marcadas pela emoção. São sensíveis e românticas. Os homens primam pela racionalidade, pela força e pela coragem, mas tropeçam quase sempre nas suas fraquezas. Só essa diferenciação daria espaço para grandes debates. Acontece que a feliz geografia que nos colocou nesta maravilhosa terra nunca teve o tratamento nem as benesses dos que foram ungidos do Sul maravilha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário