DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

quinta-feira, 8 de junho de 2017

REUNIÃO DA AJEB-CE, DE 16 DE MAIO DE 2017



A AJEB-CE realizou sua sessão ordinária, como de costume, no auditório da Academia Cearense de Letras. Foi uma manhã cultural, de cuja pauta constaram: Homenagem às mães ajebianas; homenagem póstuma à inesquecível Geraldina Amaral; palestra de Feranda Quinderé, presidente da Academia Fortalezense de Letras; e lançamento do livro infantil da ajebiana, Elinalva Oliveira, intitulado "O corajoso menino torna-se príncipe na Cidade Luz".

Após a sessão, foi servido aos participantes um apetitoso lanche.


HOMENAGEM PÓSTUMA À GERALDINA AMARAL


A presidente da AJEB-CE, Gizela Nunes da Costa, ocupou a tribuna e fez sua oração, exaltando a personalidade, o trabalho e a competência de nossa inesquecível colega. Leia a seguir:



GERALDINA AMARAL

                 
          Maria Geraldina Alves do Amaral nasceu em Caucaia-CE, no dia 2 de fevereiro de 1925. Filha do empresário Jerônimo Xavier do Amaral e Francisca Alves do Amaral. Os seus primeiros estudos foram feitos no Grupo Escolar Branca Carneiro de Mendonça, em Caucaia. A seguir, foi para o Colégio da Imaculada Conceição em Fortaleza, onde concluiu os cursos ginasial e normal. Ingressou, mediante vestibular, na Faculdade Católica de Filosofia do Ceará – UECE, onde se formou em Letras Neolatinas. Ensinou nos Colégios Estaduais Justiniano de Serpa e Liceu do Ceará, ministrando aulas de Francês. O seu magistério também se fez presente nos Colégios Lourenço Filho, São José, São João e Municipal Filgueiras Lima, dando aulas de Português, Francês, Latim, Inglês, Espanhol e Organização Social e Política do Brasil. Pertenceu ao Curso de Cultura Hispânica da Universidade Federal do Ceará, à época de sua fundação, dando aulas de Espanhol. Em 1948, passou a integrar, como jornalista, os Diários Associados. Em 1995, foi convidada para ser assessora de Judith Sendy, autora da coluna “Em Sociedade”. Nascia em Fortaleza o colunismo social sob as bênçãos do Dr. João de Medeiros Calmon, titular dos Diários Associados em Fortaleza. Na época o colunismo social era caracterizado pelo diletantismo e que, mais tarde, evoluiu para o jornal/empresa.
          Do colunismo e dos Diários Associados migrou para o campo empresarial. Exercia o comércio de confecções e artesanatos, onde designou um lugar especial para a literatura de cordel.
          Geraldina gosta de ler, viajar e colecionar corujas artesanais. Madri, New York e Paris são as suas cidades preferidas. É uma estudiosa da vida literária de Madrid, da 5ª Avenida, do Central Park e, sobretudo, da vida noturna de Greenwich Village em New York. Em Paris, era uma pesquisadora da famosa “geração perdida” e de tudo que se referisse a Marcel Proust, autor da obra Em busca do tempo perdido. Em termos de sétima arte, aprecia o cineasta Woody Allen. Destaca a irreverência do cantor e compositor Cazuza. Detesta pessoas de mau-caráter e perfumes fortes.
          Na vida literária, é sócia fundadora da Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno. Ocupa a cadeira nº 6, cuja Patrona é Ana Facó. Colabora com a Revista Jangada da citada Ala desde a sua fundação, sendo a jornalista responsável pela edição da Revista. Por ocasião da defesa de sua Patrona (Ana Facó), afirmou:
          “Nós da Ala Feminina, além de tomarmos sob o nosso cuidado representar a mulher cearense no setor das atividades intelectuais da nossa terra, também nos propomos fazer lembradas aquelas inteligências femininas que, por um ou outro motivo, permanecem sem o culto merecido do seu nome, sem a glorificação que lhes é devida em reconhecimento pelo que tenham feito em favor do nome da mulher cearense, e progresso e felicidade do Brasil”.
          E, no parecer exarado em 23 de dezembro de 1947, pela Comissão formada por Boanerges Facó, Luiz Sucupira e Alba Valdez, sobre o trabalho realizado por Geraldina Amaral, consta:
          “Geraldina leu cuidadosamente a obra de Ana Facó, descobriu-lhe as facetas mais notáveis, compreendeu-lhe a psicologia e penetrou-lhe o íntimo do espírito”.
          E, mais adiante prossegue:
          “É um estudo de fôlego, muito aproximado da realidade e falou, com bastante precisão, quando a chamou de Anjo da Guarda da família”.
          O parecer conclusivo foi assim expresso: “Em face do exposto, o estudo de Geraldina Amaral foi considerado bom e digno de ser lido na Casa de Juvenal Galeno”. Assim, Geraldina Amaral, após a defesa de seu trabalho, foi considerada sócia efetiva da Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno.
          No papel de tradutora, fazia parte dos tradutores públicos do Ceará. E, no seu mister, foi internacionalmente premiada pela versão para o Espanhol da peça “Os Deserdados”, de Eduardo Campos.
          Na “Revista Jangada”, além de jornalista responsável, publicou poemas, entrevistas, crítica literária, artigos sobre poetas como, por exemplo, Dinorá Tomás Ramos, saudações a Joracy Camargo, Heckel Tavares e Edson Castilho e “Proseando na Jangada”.
          Além de sócia acadêmica da Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno, da AJEB – Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil Coordenadoria do Ceará e Associação Cearense de Imprensa, fez parte da Diretoria Executiva Nacional da AJEB, como Diretora do Departamento de Divulgação e Relações Públicas.
          Por outro lado, participou dos seguintes livros:
         
          1971-Mulheres do Brasil
          1979-O Livro da Ajebiana
          1980-Ajebianas do Paraná e do Brasil
          1999-Policromias

          Atualmente, é redatora do Jornal Metropolitano de Caucaia.
          A escritora Francinete Azevedo relatando na Revista Jangada traçou, desta forma, o perfil de Geraldina Amaral:
          “A nossa homenagem e o nosso preito de gratidão a essa mulher admirável, escritora, jornalista, cujo profissionalismo exemplar é realçado pelo talento e pela competência, qualidades que lhe dignificam o caráter”.
          O seu labor cotidiano, prudente e harmônico, aliado à competência, resultaram no convite para ser assessora de imprensa da senhora Marieta Cals, esposa do então Governador César Cals,
          Geraldina Amaral, durante dois anos, assinou uma coluna nos Diários Associados denominada “Coisas da Vida e da Morte”. Na maioria, a produção literária explora a obra de Proust, sobretudo, a contida em “Sodoma e Gomorra”. Aplica às pessoas e aos ambientes a atmosfera Proustiana. Desfilam em seus escritos a vida mundana de GALOUIS, as temporadas festivas em BALBEC e a figura inesquecível da senhora Cambremer.
          Geraldina Amaral é aposentada do serviço público estadual e das atividades empresariais. Reside em Caucaia, sua terra natal, expressando o eterno retorno do ser humano às suas origens.

Gizela Nunes da Costa


A ajebiana, Francinete Azevedo, Também, realçou as qualidades da jornalista Geraldina Amaral:

             GERALDINA   AMARAL  - Um Nome
       Referencial Literário e Jornalístico na “Terra da Luz”.

Maria Geraldina Alves do Amaral, cearense, de Caucaia, era Sócia Fundadora e Efetiva da Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno, ocupante da Cadeira de número seis, patroneada pela saudosa escritora Ana Facó, e desde então, notórios foram seu empenho, interesse, colaboração em divulgar o talento feminino ali refulgente, objetivando a projeção do Silogeu no universo cultural alencarino.
Quando inquirida sobre “O que é a Casa de Juvenal Galeno?”, ela assim se expressou: “Ali naquela Casa de sublimes heranças culturais, sob o patrocínio do Mestre da Poesia Cearense e dirigida pelo patriotismo da Doutora Henriqueta Galeno, reúnem-se espíritos jovens e espíritos amadurecidos nas lides intelectuais, principiantes e contumazes no caminho das letras, amantes diversos dos trabalhos superiores do intelecto. Instituição igual a Casa de Juvenal Galeno de poucas temos conhecimento com tal ardor e solicitude na difusão e amparo às Ciências e às Artes em geral, mormente à Literatura”.
Geraldina Amaral, na sua simplicidade admirável, detinha uma vasta cultura, perceptível na composição de seus artigos literários, ressaltando-lhe o estilo claro, conciso.
Colaborou na Ala Feminina com a Revista Jangada, desde sua criação. Era jornalista responsável pela circulação da revista. Respondia pelas “Sessões Permanentes” – no que se referia à Educação e Ensino, além da coluna “Proseando na Jangada” (entrevistas). Ao lado da também escritora Giselda Medeiros, Geraldina celebrou os cinquenta anos  de circulação da Revista, uma publicação inédita, na qual prosa e poesia encantava leitores de todas as idades.
Formada pela Faculdade Católica de Filosofia do Ceará, hoje UECE, lecionou durante vinte e cinco anos em diversos colégios da capital, ministrando aulas de inglês, espanhol, francês. Lecionou espanhol no Centro de Cultura Hispânica, tendo passado seis meses na Espanha, ou seja, Madri, aperfeiçoando-se na língua e cultura daquele país.
Colunista Social de grande expressão atuou durante muito tempo nos Diários Associados, em conceituados jornais de Fortaleza. Foi Assessora de Imprensa da Senhora, Drª Marieta Cals, esposa do ex-governador Dr. César Cals. Foi responsável pelas páginas Social, Cultural, Esportiva  e Editorial do Jornal Metropolitano de Caucaia.
Confessou-nos, na época, que estava a escrever um livro sobre aquele município, Caucaia, sua terra natal.
Sua veia jornalística já se fazia marcante em suas atividades, ainda estudante no Colégio Imaculada Conceição. Convidada pelo Dr. Luís Sucupira escreveu para o jornal “O Nordeste”. O seu interesse pela comunicação permitiu-nos considerá-la um ícone no mister de decantar o social, “o society” com apurado requinte.
Geraldina Amaral parecia não se importar com a passagem célere do tempo, até quando lhe foi permitido escrever, assumiu compromissos, esteve atuante, parecendo-nos ter adotado o pensamento otimista de sua patrona na Ala Feminina, a escritora Ana Facó, que dizia: “Não esmorecer nunca, ainda que nos falte a luz dos olhos.”  
E assim procedia Geraldina Amaral que, na sua modéstia, extremamente cativante, era sincera em suas atitudes, benevolente com os que prezavam de seu convívio, de sua amizade.
A nossa homenagem e o nosso preito de gratidão a esse ser humano admirável, a escritora, a jornalista, Geraldina Amaral, cujo profissionalismo foi distinto pelo talento e pela competência, qualidades nobilitantes de seu caráter.
O nosso “muito obrigado” a você, Geraldina Amaral, pelo zelo sem limites, na conservação da amizade sem a predominância de preconceitos racial e social.
Senhores:
Uma nova estrela cintila no firmamento!

                                                                    Francinete  Azevedo
                      da Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno,
           AJEB, AFELCE, ALMECE, ACERE, UBT, AAFROCEl. 


Após as homenagens, o médico, Dr. Murilo Amaral, irmão de Geraldina Amaral, em nome da Família e dos familiares presentes à sessão, pronunciou seus agradecimentos, profundamente emocionado.  



PALESTRA DE FERNANDA QUINDERÈ

A seguir, fez uso da tribuna, a atriz, poeta, presidente da Academia Fortalezense de Letras, Fernanda Quinderé, que pronunciou agradabilíssima palestra sobre a sua convivência artística com Paurillo Barroso. A plateia, que se mantivera atenta durante toda a exposição, aplaudiu, agradecida.




LANÇAMENTO DO LIVRO DE ELINALVA

Dando prosseguimento, passou-se ao lançamento do livro da ajebiana, Elinalva Oliveira.
A apresentadora foi a professora Itelvina Marly. Vamos ler:


Fortaleza, 16 de maio de 2017.
Apresentação do livro: O corajoso menino torna-se príncipe na Cidade Luz
Autora: Elinalva Alves.
Associação de Jornalistas e escritoras do Brasil- AJEB-CE.

Bom dia,
É um prazer estar aqui, não só pelo convívio em meio seleto, festivo, fraterno, mas para apresentar mais um trabalho da escritora Elinalva Alves. Depois da biografia romanceada de Louis Braille, em “Aconteceu em Paris”, acontece agora em Fortaleza, “O corajoso menino torna-se príncipe na Cidade Luz”.

É o mesmo Louis Braille mais infantil, que vai oferecer às crianças a oportunidade de conhecer a genialidade, a inventividade, o alcance social, para quem enxerga e para quem não enxerga, um marco histórico na educação de deficientes visuais.

Este mesmo Louis Braille, pleno de altruísmo, generosidade e doação está ao alcance das crianças! A autora já é bastante conceituada no meio literário em outros temas e mais com a segunda referência resultante da sua formação acadêmica em História e Educação Especial Inclusiva.

Mostrando-se sensível, profunda conhecedora do tema, com aguçado senso de oportunidade, de humanidade e historicidade, Elinalva faz acontecer em Fortaleza um momento relevante, para a divulgação do nome de personalidade tão ilustre, ela com delicada emoção proporciona de forma literária um conteúdo informativo, educativo, edificante.

Vamos espalhar a notícia, olhar o texto que também contém lindas ilustrações, vamos parabenizar, elogiar, valorizar, louvar a ideia, a iniciativa.

Parabéns à AJEB que tão bem acolhe a autora entre tantas outras. Agradeço a delicadeza do convite, a confiança da Elinalva renovando o merecido elogio, ofereço flores à Elinalva, extensivas à AJEB.

Obrigada
Itelvina Marly









 A Autora, Elinalva Oliveira, muito festejada pelos colegas, amigos e convidados, externou seus agradecimentos, com muita alegria e bastante emocionada. Parabéns, Elinalva!


                                       

Nenhum comentário:

Postar um comentário