DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

A Crônica e os Cronistas - Zenaide Marçal

Vou tentar, num breve espaço de tempo, discorrer sobre estes dois assuntos, os quais são interligados. Iniciarei comentando alguns aspectos da crônica.
O conceito deste gênero literário é bastante variável. Em nota da Editora José Olympio, no livro - Elenco de Cronistas Modernos - encontramos o seguinte comentário: Se “conto é tudo que chamamos conto”, como dizia Mário de Andrade, tal definição se aplica ainda com mais propriedade à crônica moderna brasileira.
Na definição do jornalista Nilson Lage, “A crônica é um texto desenvolvido de forma livre e pessoal, a partir de um acontecimento da atualidade ou situações de permanente interesse humano. É gênero literário que busca ultrapassar, pelo tratamento artístico, o que é racionalmente deduzido dos fatos”.
Sabemos que a crônica apresenta as mesmas características do conto, porém este, tem começo, meio e fim, ao passo que à crônica o que interessa é um ponto central, culminante. Pode-se dizer que tem como qualidade principal ser um trecho curto, normalmente bem mais curto do que o conto, embora, dependa muito do autor a forma de classificá-los.
Assim, verificamos, em determinados autores, contos curtíssimos e, muitas vezes, crônicas um tanto mais longas. Não há, na verdade , um limite exato, que defina a sua classificação. Talvez haja uma sutil diferença na forma da narrativa mas, nem sempre é seguro nos atermos a isto para identificá-la. No normal das vezes ela tem entre duas a quatro páginas, mas isto, também, é plenamente variável. O que realmente importa numa crônica, é que ela, além de curta e leve, seja densa, sintetizando de forma compreensível os assuntos nela tratados.
Normalmente é narrada na primeira pessoa, e deixa clara, ou subentendida, a opinião do próprio cronista, e, se somos seus habituais leitores, chegamos até mesmo a conhecer pontos marcantes de sua personalidade.
Encontramos vários tipos de crônicas, muitas delas jornalísticas, e, por serem noticiosas, com o tempo, perdem mais facilmente o grau de interesse que despertam. Outras, originadas de fatos comuns do nosso dia-a-dia, mesmo que façam parte do trabalho diário, ou semanal, de um jornalista, são de caráter mais duradouro.
A maior parte das crônicas era editada apenas em jornais e revistas, publicações passageiras, e, por isto mesmo, consideradas um gênero efêmero. Atualmente, as crônicas, na sua maioria, têm caráter de permanência e são dignas de fazer parte do patrimônio literário do Brasil.
Seria bom se nós que gostamos de literatura, despertássemos para a riqueza de assuntos que temos para escrever. Quantos acontecimentos interessantes são, vez por outra, presenciados por nós; quantos pensamentos nos vêm de coisas simples que nos cercam, e os deixamos cair no esquecimento, perderem-se no fundo da memória!
Se observarmos os assuntos abordados pelos cronistas, veremos que eles não deixam fugir um fato interessante, por simples que seja, sem gravá-lo nos seus escritos. Senão, vejamos alguns títulos de crônicas: de Milton Dias – Assembléia de Cães, O fim do mundo, A mala; de Raquel de Queiroz – O telefone, Os Bondes, Andorinhas, etc. Assuntos corriqueiros que se tornam peças preciosas para leitura em horas de lazer.
Enquanto a poesia, para escrevê-la, precisamos ter inspiração poética, trazê-la na alma, a prosa, no caso a crônica, pede-nos apenas que a cultivemos através de leituras e de treinamento.
Notamos em algumas delas aflorar a alma poética do escritor, seja ele ou não, poeta declarado.
Na crônica o escritor sente-se à vontade para ir de um comentário a outro, dentro do assunto escolhido, podendo temperá-la com um pouco de humor ou de ironia, sem exageros, para que não fuja à leveza e à densidade por ela requeridas.
Quando lemos um romance, pode acontecer que, por um motivo ou outro, saltemos deliberadamente algumas passagens, de descrição, para chegar logo ao fim, e continuamos a leitura daquela narrativa sem que nos faça falta o trecho que deixamos de ler. Isto se deve ao caráter desse gênero de escrita, o romance, que se prolonga por um número bem maior de páginas. O mesmo não se pode fazer na crônica (nem no conto), porque cada palavra é importante no contexto, pois compensamos o espaço curto por uma forte intensidade de significação.
As crônicas, quando as escrevemos com o devido respeito às suas características, compensam o nosso esforço, sintetizam o nosso pensamento e se nos mostram pequenas, belas e de agradável leitura.
Na revista Ecrire Magazine, n°101 – 1° trimestre de 2008) um articulista diz que a divisa da crônica, como do conto, é a seguinte: Small is beautiful! (Petit c’est beau!); e, aí, compara um romance a um longo jantar, no qual podemos deixar algo no cantinho do prato e , a crônica seria como um sanduiche: não queremos perder uma migalha sequer. Concluindo, tudo o que nela está escrito importa para a compreensão e para a beleza do texto.
A Crônica, amigos, é tudo isto que falei e muito mais! Que o digam os cronistas.

Os cronistas – Antes de lhes falar sobre os cronistas, quero lembrar-lhes a quantidade imensa de escritores que se dedicam à crônica, a começar pelos jornalistas de modo geral. Citarei apenas alguns, na impossibilidade de nomear todos, sem que isto signifique desconhecê-los ou desprestigiá-los. Por falta de espaço, dei preferência aos escritores que têm real destaque no mundo da crônica, uns do cenário nacional e outros que fazem parte, também, da Literatura Cearense.
Entre os mais famosos escritores brasileiros muitos escreveram crônicas, embora tenham-se tornado célebres através dos seus romances, ou de outros gêneros literários. Entre estes estão: Machado de Assis, José de Alencar, Olavo Bilac, Manuel Bandeira e outros.

Alguns cronistas:

Luís Fernando Veríssimo –
Inácio de Loyola Brandão –
Paulo Mendes Campos –
Fernando Sabino – Mineiro, Jornalista, cronista dos mais competentes, suas crônicas são marcadas pelo senso de humor, muitas delas escritas em Londres, onde foi Adido Cultural na Embaixada do Brasil.
Eduardo Campos – Cearense - Jornalista , escritor, teatrólogo, membro da A.C.L. – Os Grandes Espantos; A volta do Inquilino do Passado, além de vários livros de contos.
João Jacques – Jornalista, ACL; ACI e Retórica
Ciro Colares – Cearense - Jornalista, trovador e cronista. – As Moças Não Fogem Mais Com o Circo (crônicas, poemas e trovas) é um dos seus m*livros mais interessantes.
Murilo Martins – Ex-presidente da ACL. Publicou vários livros de cunho científico e, outros, de crônicas: Medicina Meu Amor, e Navegando no Mar da Medicina.
Por falta de espaço de tempo para comentar um pouco mais a obra de cada um, escolhi somente quatro nomes, tarefa difícil no meio de tantos valores e, pelo mesmo motivo, darei apenas alguns traços biográficos de cada um deles.

Raquel de Queiroz- Grande escritora cearense, jornalista, romancista renomada, a primeira mulher a assumir uma cadeira na ABL. Pertenceu, também, à ACL. Publicou alguns livros de crônicas, as quais têm a característica de se confundirem com o conto, pela sua extensão. Nem é preciso dizer o quanto são bem escritas, porque escrever bem é a sua marca registrada. As crônicas de Raquel são, em grande parte, inspiradas em assuntos do sertão nordestino, contêm um forte apelo social, e alguma forma de humor. Sua obra, neste ano em que comemoramos o centenário do seu nascimento, tem sido alvo de muitos estudos e de conferências nas mais diversas instituições literárias. Raquel é um nome que honra a Terra Cearense e que nos envaidece.
Carlos Drumond de Andrade – Nasceu em Itabira, MG e morreu no Rio de Janeiro em 1987. Impossível dizer aqui toda a vida e a obra de Drumond. Ainda adolescente começou a colaborar em jornais e revistas de BH e do Rio. Trabalhou em vários jornais. Foi funcionário público em BH. Em 1934 transferiu-se para o Rio de Janeiro. Escritor laureado recebeu prêmios da Sociedade Felipe d’Oliveira, da U.B.de Escritores e do PEN Clube do Brasil. .
Sua obra é muito ampla e se caracteriza pela excelência da linguagem, elegante e correta. Celebrizou-se, tanto pelo seu trabalho em prosa como pela sua poesia, tendo vasta criação em cada um desses gêneros.
Há humor e ironia nas suas crônicas as quais têm apelação de cunho sócio-político. Drumond chegou mesmo a criar um personagem representativo do cidadão brasileiro comum, suas dificuldades e sua forma de “driblar” a vida, e a quem deu o nome de João Brandão. Um dos seus livros de crônicas se intitula – Os Caminhos de João Brandão. Publicou ainda em crônicas: Os Dias Lindos, A Bolsa e a Vida, Cadeira de Balanço, Poder Ultra Jovem, e outros.
Milton Dias – No seu livro “Entre a Boca da Noite e a Madrugada, ele mesmo se define: “Na verdade, não sou mais do que um cronista que surpreende o cotidiano e o traz para a folha de jornal, de duração tão rápida. Não sou mais do que um sertanejo carregado de lembranças, que amealhou as estórias que ouviu por onde passou e as divide uma vez por semana com o respeitável público: memórias de noites indormidas, luz de sete-estrelo, pancada de mar, caminhos e madrugadas, (...)
Sou enfim simplesmente um cronista, ou se quiserdes, um contador das estórias e vivências que aprendeu por aí”.
Na crônica – Eu, Milton Dias, diz: “Eu gosto: de gente, crepúsculos e madrugadas, mar e montanha, cidade antiga, vinho tinto, viagem, música. Gosto de ler, reler e escrever. Sou perdido por uma boa conversa. Gosto da minha casa, meus cantos, minha rua, minha praça, e tudo o que me cerca. Gosto da solidão, quando a solicito e a detesto se me é imposta.
De amigas e amigos que são muitos estou, felizmente, muito bem abastecido”.
Deste escritor que engrandece o Ceará, direi que foi porfessor de Literatura Francesa da Faculdade de Letras da UFC, foi também, Chefe do Gabinete do reitor Martins Filho. Membro da ACL e do grupo Clã. Colaborador permanente do Suplemento Literário do Jornal O Povo, durante 25 anos. Foi condecorado pelo Governo Francês com a Ordem das Palmas Acadêmicas. Não cabe neste espaço tudo o que poderia ser dito do seu imenso e prestigioso currículo.
Rubem Braga – Cachoeiro do Itapemerim -ES – 1913 – 1990. Ingressou no jornalismo ainda estudante. Cronista, comentarista político e repórter. Trabalhou em diversos jornais em várias capitais brasileiras. Acompanhou a Força Expedicionária Brasileira à Itália, na II Guerra Mundial. Como correspondente de diversos jornais brasileiros fez a cobertura de importantes acontecimentos em vários países. Foi Embaixador do Brasil em Marrocos, Chefe do Escritório Comercial do Brasil em Santiago do Chile. Morou na Europa durante o ano de 1950, sempre como jornalista. Inovou a crônica, elevando-a à categoria de gênero de permanência literária. Conseguiu firmar-se como grande escritor na Literatura brasileira, exclusivamente como cronista. Sua prosa tem admirável simplicidade , com elevado teor poético e muito senso de humor.
Sua obra é bastante rica. Publicou seu primeiro livro – O Conde e o Passarinho – em 1936, e os últimos em 1986 – Crônicas da Guerra na Itália e O verão e as Mulheres. Foram cinquenta anos de publicações, somente de crônicas. Manuel bandeira o incluiu na Antologia de poetas Bissextos Contemporâneos.

Para lhes dar uma visão geral, farei a leitura de pequenos trechos extraídos de crônicas de cada um desses quatro cronistas:

Raquel – Fala de passarinhos:
“De manhã, com escuro, é o trocado da graúna, bem debaixo da janela. Canta cristalino, dobrado e redobrado, como polca de piano, daquelas do tempo da Chiquinha Gonzaga. [...] Na hora da sesta aparece, mas não é todo dia, um sabiá cantador. Vem por ali, senta no cajueiro, solta o canto. Mas assim que a gente se aproxima, embelezada, ele sai para mais longe, nas algarobas; esse tem temperamento e não gosta de estranhos”.
Fala da velhice –“Sim; é o que nos torna velhos, esse passado acumulado. Mas, além do passado, tem a preguiça, aquelas pernas elásticas de 20 anos atrás que hoje protestam quando sobem uma rampa de ladeira. Ou será o fôlego mais curto?”
Fala de amigos – “Respeite os seus amigos. Isso é essencial. Não procure influir neles, governá-los ou corrigi-los. Aceite-os como são. O lindo da amizade é a gente saber que é querida a despeito de todos os nossos defeitos”.
Fala da Morte – “Morrer com dignidade, porque morrer livre das indignidades da última hora é reivindicação minha, já de muitos anos. Em escritos, em conversas, em pedidos à família, venho rogando: não deixem que os médicos atrapalhem a minha morte. Na hora em que ficar desenganada, parem tudo, pelo amor de Deus”.
(...) E depois o repouso na terra velha da fazenda Califórnia, onde os meus já me esperam. Amém.
Na crônica - Pó ao Pó – ela fala de cremação e no final diz: “Joguem as minhas cinzas pelo mundo, porque o mundo todo eu amei; e talvez algum punhadinho seja levado pelo vento até o Ceará”.
Drumond – Fala de animais : Perde o Gato – (de nome Inácio)
“Há tempos, contei de Inácio e de sua convivência. Inácio estava na graça do crescimento, e suas atitudes faziam descobrir um encanto novo no encanto imemorial dos gatos. Mas Inácio desapareceu - e sua falta é mais importante para mim, do que as reformas do ministério. (...) Depois que sumiu Inácio, esses pedaços de casa se desvalorizaram. Falta-lhes a nota grave e macia de Inácio. É extraordinário como o gato “funciona” em uma casa; em silêncio, indiferente, mas adesivo e cheio de personalidade. Se se agravar a mediocridade destas crônicas, os senhores estão avisados: é falta de Inácio”.
Fala de insetos: A barata. Por que este velho tema (chamemo-lo assim) volta sempre à máquina de escrever e daí passa ao jornal e entra na casa de todo mundo? Ha mesmo, até, quem cultive um sentimentozinho de ternura pela barata. Pobre que ela é, desamparada, furtiva, aguardando a noite, o sono dos moradores , para cuidar da vida”.
Fala de saudade: “viver de saudades, é que de jeito nenhum. Lembrança preservada, lá isso é outra coisa”.
Fala de cronista: “Não pretendo fazer aqui a apologia do cronista, em proveito próprio. Reivindico apenas o direito ao espaço descompromissado, onde o jogo não visa ao triunfo, à reputação, à medalha; o jogo esgota-se em si, para recomeçar no dia seguinte, sem obrigação de sequência.”
Fala da Morte –“ A morte não será procurada, nem esquivada, e o homem compreenderá a existência da noite, como já compreendera a da manhã”.

Milton Dias – Fala de animais – na crônica Assembléia de Cães.
“Esta noite houve um congresso de cães cá na minha praça - E tudo indica que os participantes não estavam se entendendo muito bem, a tirar pelos latidos indisciplinados e constantes, como se todos quisessem opinar ao mesmo tempo, balburdiando deliberadamente a assembléia”.

( Um gato) “ E respeitador, obediente, tímido, só começava a vida noturna depois de certa hora; então se esgueirava, saía discreto corria ao encontro da bem-amada, uma certa gata preta da vizinhança, de quem falavam muito mal e por quem chegou a passar uma noite fora de casa, contra seus princípios. Foi só esta vez, mas entrou de manhã tão desconfiado, tão humilhado, roçando as paredes, que ninguém ousou fazer-lhe um gesto de repreensão. Ao contrário, todos acharam que o pobre não teve culpa, há de ter sido tudo tentação daquela gata que era de má vida - estava na cara”.
Ainda sobre o gato:
(...) “vendo que sua presença me impedia de tirar o ferrolho, tive uma reação inesperada de distração, como se me dirigisse a uma pessoa humana: pedi licença”.
Fala da Crônica – “A idéia da crônica como um subgênero, gênero espúrio, está totalmente superada, já foi aceita como gênero independente pelos críticos mais recalcitrantes. Não é só escrevendo versos ou contos ou romance, que se pode fazer literatura”.
Fala de estrela: “Abro um instante a janela, consulto o céu: não há uma estrela, fugiram todas, me deixaram no mais completo abandono. Nem posso imitar o poeta que conversou com elas toda a noite, tresloucado amigo”.
Fala de Fortaleza: “Este meu amor a Fortaleza, infinito, incansável, leal e permanente, contraído há tanto tempo, este amor que eu guardo, cultivo e canto muito e sempre, (...) e a que só faltam versos, porque, ai de mim, não sou poeta”.
Fala de tardes de domingo: sei lá quantas tardes de domingo tenho cá nos guardados da memória, quantas sofri, quantas colecionei, são todas tristes, ah são tristes todas, as tardes de domingo, em qualquer lugar do mundo”.
Fala da velhice – “Também não é no espelho do meu quarto que eu vejo a minha idade, naquele inimigo pendurado que eu respeito e evito. (...) na pele, ai, meu Deus, na pele, a marca mais inegável, as rugas fazendo estrada, começando aquela fabricação de papel pergaminho.”
Fala da Morte: “Eu espero viver a vidinha sem mágoa, em paz com Deus e o mundo. Depois descansar à sombra de um pé-de-jambo, que me aguarda no Parque da Paz”.
Rubem Braga – Fala de animais – Refere-se aqui a um cachorro ainda do tempo da casa de seus pais, em Cachoeiro, e que era muito valente: “ Zig – ora direis - não me parece nome de gente mas de cachorro. E direis muito bem, porque Zig era cachorro mesmo. (...) A verdade é que Zig era capaz de abanar o rabo perante qualquer paisano que lhe parecesse simpático (poucos, aliás lhe pareciam) mas a farda lhe despertava os piores instintos. (...) Tão arrebatado na vida pública, Zig era, entretanto, um anjo do lar. Ainda pequeno tomou-se de amizade por uma gata e era coisa de elevar o coração humano ver como aqueles dois bichos dormiam juntos, encostados um ao outro. Um dia, entretanto, a gata compareceu com cinco mimosos gatinhos, o que surpreendeu profundamente Zig.
Ficou muito aborrecido, mas não desprezou a velha amiga e continuou a dormir a seu lado. Os gatinhos então começaram a subir pelo corpo de Zig, a miar interminavelmente.
(...) Quanto à minha mãe, ela sempre teve o cuidado de mandar prender o cachorro domingo pela manhã, quando ia à missa. Algumas vezes, entretanto, o bicho escapava (...) e, em menos de quinze minutos estava entrando na igreja apinhada de gente. Atravessava aquele povo todo até chegar diante do altar-mor, onde oito ou dez velhinhas recebiam, ajoelhadas, a Santa Comunhão. Zig se atrapalhava um pouco - e ia cheirando uma por uma , aquelas velhinhas todas, até acertar com a sua dona. Mais de uma vez uma daquelas boas velhinhas trincou a hóstia, gritou ou saiu a correr assustada, como se o nosso bom cão que a fuçava com o seu enorme focinho úmido, fosse o próprio Cão de fauces a arder. Mas que alegria de Zig quando encontrava, afinal, a sua dona! Latia e abanava o rabo de puro contentamento não a deixava mais”.
Fala do que escreve – “Cuida o leitor que estou escrevendo bobagens, e é certo. Mas eu sei das bobagens minhas, elas têm enredo íntimo”.
Fala da vida – “Meus arquivos, na sua desordem, não revelam apenas a imaginação desordenada e o capricho estranho da minha secretária. Revelam a desarrumação mais profunda, que não é de meus papéis, é de minha vida”.
Fala da mulher – “A natureza da mulher é assim feita não só da estrita carne e da voz, (...) há a substância improvisada de algas, nuvens e brisas; e mais. Um leve murmúrio de estrelas”.
Fala da morte: “Vocês desculpem tocar nesse assunto, mas a verdade é que está morrendo muita gente. Outro dia peguei por acaso num antigo caderninho de endereços que estava no fundo de uma gaveta, comecei a folhear e esfriei: quanto telefone de gente que já morreu!” (...) “o pior é que esse “lado de lá” vai aumentando, e se a gente se demorar muito por aqui acaba falando só”.

Muito mais teria a dizer-lhes e gostaria de convidá-los a descobrir a beleza da crônica, através da leitura de bons cronistas.
Antes de terminar, quero deixar patente a grande admiração , o grande respeito que sinto pelos cronistas, esses escritores que sendo portadores de currículos invejáveis, e tendo o reconhecimento unânime da crítica literária, não perdem a simplicidade.
As suas crônicas têm em comum a forma humanitária com que vêem as pessoas e os animais, e o modo como descobrem o ângulo incomum das coisas comuns, revelando a ternura que abrigam no mais fundo de suas almas.

Zenaide Braga Marçal – AJEB – CE
(Palestra pronunciada na reunião da AJEB, em 17/08/2010)

Um comentário:

  1. tia, parabens,pelo trabalho realizado.continue sempre assim, doce ,meiga e transmitindo tanta sabedoria para todos...mil beijos.

    susane braga v guedes.

    ResponderExcluir