DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

CELINA CÔRTE PINHEIRO E O 27 DE JANEIRO DE 2013





            Deveria ser um domingo, como tantos outros, em que jovens curtem a ressaca de uma noite festiva na balada, quando trocaram beijos, abraços e passos de dança ao som da banda da moda. Contudo, não foi assim! O dia 27 de janeiro de 2013 amanheceu enlutado no país inteiro por conta do ocorrido lá em Santa Maria-RS. O lá ficou próximo de todos nós face à fatalidade incluindo tantos jovens recém despertados para a vida. Simplesmente curtiam as alegrias próprias da juventude. E não tiveram o dia seguinte para relatar tudo o que de bom acontecera na boate. Restaram apenas seus familiares sentindo na mente e no coração a dor de uma partida, sem despedidas e sem retorno previsto. Não apenas o Brasil caiu em estado de estupefação. Todo o mundo comentou e se perguntou como é que ainda acontecem coisas assim, em pleno século XXI. Acontecem e continuarão a acontecer, enquanto não adquirirmos a cultura da prevenção de acidentes e continuarmos a acreditar que fatalidades advêm apenas aos outros. Embora a tristeza tome conta de todos nós, é obrigatória a reflexão sobre o ocorrido. As responsabilidades devem ser investigadas e, com certeza, não se restringem a um pequeno grupo de pessoas ligadas diretamente ao recinto onde acontecia a festa. Outros, caso tenham consciência, estarão agora arrependidos por não terem sido mais rigorosos na fiscalização de acordo com as exigências da lei. Deram um jeitinho, levaram na brincadeira suas responsabilidades, na certeza de que nada ocorreria. Quiçá hajam se vendido, não por trinta dinheiros, mas até mesmo por uma garrafa de uísque falsificado para considerarem tudo de acordo com as normas técnicas.
            Não temos a cultura da prevenção e subestimamos as possibilidades de agravos. Acreditamos que nada irá acontecer e dormimos tranquilos. Quantos de nós, ao entrarmos em locais públicos nos preocupamos em examinar o entorno à procura das saídas de emergência ou possibilidades de evasão? Quantos de nós sabemos operar um extintor de incêndio? Quantos de nós sabemos que há diferentes tipos de extintores para situações específicas? A utilização de um extintor inadequado pode agravar o problema. Hoje, tão comuns os condomínios. No nosso, há pessoas treinadas para agir corretamente no caso de um sinistro? As questões são inúmeras e convém refletirmos sobre elas.
            O infortúnio recente revela os riscos a que nos encontramos sujeitos. Não devemos apenas lamentar o ocorrido, mas sermos mais cautelosos, mesmo nas situações mais comezinhas, capazes de produzir sérios agravos à integridade física individual e coletiva.

 (publicado no JORNAL O POVO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário