DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

domingo, 3 de fevereiro de 2013

COLABORAÇÃO DE HERMÍNIA LIMA


Que beleza de texto! REFLEXÃO ESTÉTICA SÉRIA E BEM HUMORADA. A leitura só reafirma o meu status de FÃ DO AUTOR:

AH, AS BERMUDAS!

Affonso Romano de Sant’Anna

Há muito venho observando as burmudas. Vivemos não apenas num triângulo mas num círculo vicioso de bermudas. Tenho várias bermudas. Isto me compromete. Estou envolvido no crime. No Natal (ou aniversário) as filhas insistem em me presentear com burmudas. Na última vez que isto aconteceu, troquei-as ( as burmudas, não as filhas) por camisas, aproventando o pretexto de que eram pequenas (as bermudas, claro).
Contra as bermudas, em geral, não tenho nada. Mas me pergunto: será que todo mundo deve usar bermudas? Pesquisei a respeito. Sei que se difundiram nos anos 90, que os surfistas é que as popularizaram. Dizem que essa roupa vem das ilhas Bermudas, onde era uma forma mais informal, arejada de se vestir e enfrentar o calor.
Até aí nada demais.
Mas como dizia meu pai-“tudo que é demais, é sobra”. E as bermudas invadiram nossa praia, nossas ruas, shoppings, cinemas e aeroportos. Estou nesta fila de banco: e horrorizado com o festival de bermudas à minha frente. Brancos, pretos, pardos, aposentados, porteiros, donas de casa num festival espantoso de mau gosto. E começo a ver aí uma questão sociológica, econômica e, irremissivelmente estética. Possivelmente a questão estética é que me levou às outras.
Por onde começar?
Sendo eu também (parcialmente) réu ou refém desta moda, tenho um certo conhecimento de causa ( ou calça?). Me parece que conseguiram nos iludir: vendem-nos bermudas que teem um ou dois terços de panos de uma calça, pelo preço da própria calça. Nisto a moda nos impingiu um paradoxo: compramos roupas remendadas e furadas por preços altíssimos, porque o lixo virou luxo.
Mas o ilusionismo que o modismo provoca é ainda mais sedutor: a gente vê aquele garotão de praia usando aquelas espantosas bermudas. Eles são sarados, teem o dorso olímpico, tatuagens rocambolescas nos músculos. São corpos padronizados, Neles pele, roupa e corpo se completam. Os anúncios, você sabe, botam os manequins em situação paradisíaca, ideal. Como na arte conceitual a gente compra o conceito.
Como diria a Bíblia, a bermuda foi feita para o homem, mas nem todo homem foi feito para a bermuda. Reparem na rua, na praia, nos aeroportos, cinemas, mercados, etc. Sobretudo no “etc”. Tem gente que não nasceu para usar bermuda. Por exemplo: os que teem aquela barriginha de bebedor de cerveja. E se o dono daquela barriga é pequeno, a situação se agrava, porque a lei áurea das proporções praticada por Leonardo da Vinci não funciona. Aquela barriguinha (ou barrigona avantajada) briga com o resto da estrutura. E surge essa questão física e metafísica: o que fazer das canelas finas? As burmudas colocaram à vista o ridículo das canelas finas que durante séculos escondemos. E a questão das canelas piora com o tipo de tenis que usamos. Os tenis merecem também uma tese universitária. Aí se estudaria a importação desse hábito dos EUA e teríamos que retomar aquela frase de ex-ministro Juracy Magalhães: “ o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”. Será? E depois essa coisa assombrosa: cobram pelos tenis o mesmo preço dos sapatos. Quer dizer: a sociedade consumista faz da gente gato e sapato, quer dizer, gato e tênis e estamos levando gato por lebre.
Mas há ainda dois elementos que me chamam a atenção: a semelhança entre certas bermudas e a roupa dos palhaços. ( Espero não estar ofendendo ninguém, isto é apenas uma constatação semiótica, também uso bermudas). Na “teoria da carnavalização” estuda-se a introdução da idéia de transgressão na vestimenta ordinária. A roupa do palhaço é assim. As roupas carnavalescas são assim: uma inversão do cotidiano. E a moda, nos liberando de amarras, fez isto com a gente: saimos fantasiados, a fantasia virou rotina. As bernudas levaram isto ao máximo: listradas, cada perna de uma cor, enfim, um carnaval do baixo ventre para as canelas finas.
Houve um tempo (deprezível) em que cada classe social usava um tipo de roupa. Aí veio a democracia. Ótimo. Tudo ao alcance de todos. E aí instaurou-se a confusão. Eles continuam escolhendo por nós e nós achamos que estamos escolhendo

Estado de Minas/Correio Braziliense 3.02.2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário