DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018

DIRETORIA AJEB-CE - 2016-2018
DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

ATUAL DIRETORIA DA AJEB-CE

DIRETORIA ELEITA POR UNANIMIDADE

CHAPA PAPA FRANCISCO

PRESIDENTE DE HONRA: Giselda de Medeiros Albuquerque

PRESIDENTE: Gizela Nunes da Costa

1ª VICE-PRESIDENTE: Maria Argentina Austregésilo de Andrade

2ª VICE-PRESIDENTE: Elinalva Alves de Oliveira

1ª SECRETÁRIA: Rejane Costa Barros

2ª SECRETÁRIA: Rosa Virgínia Carneiro de Castro

1ª TESOUREIRA: Rita Maria Lopes Guedes Santos

2ª TESOUREIRA: Maria do Socorro Cavalcanti

DIRETORA DE EVENTOS: Maria Nirvanda Medeiros

DIRETORA DE PUBLICAÇÃO: Giselda de Medeiros Albuquerque

CERIMONIALISTA: Francinete de Azevedo Ferreira

CONSELHO

Maria Helena do Amaral Macedo

Zenaide Braga Marçal

Maria Luisa Bomfim

Celina Côrte Pinheiro

Evan Gomes Bessa

terça-feira, 24 de setembro de 2013

UM TEXTO DE CELINA CÔRTE PINHEIRO



MAIS MÉDICOS SEM MÁSCARAS

O programa de governo "Mais Médicos", gerador de tantas polêmicas, fez-me voltar no tempo e recordar minha participação no Projeto Rondon, em 1972, quando já doutoranda. A meta daquele programa era inserir profissionais de diferentes áreas, sobretudo a médica, em cidades brasileiras desassistidas e de poucos recursos. Fui designada para Corguinho, no Mato Grosso. Prometeram-nos o deslocamento por avião. Exultei! Contudo, de Ribeirão Preto a São Paulo, conduziram-nos de trem, por horas a fio, em um percurso que seria feito confortavelmente, já àquela época, de ônibus, em apenas quatro horas. Não havia assentos disponíveis e viajei a noite toda sentada sobre minha mala. Apenas lá pelas cinco ou seis horas da manhã, consegui sentar-me em um dos bancos desocupados pelos passageiros.
De São Paulo a Corguinho, fomos de ônibus. No total, quase dois dias de viagem desconfortável e exaustiva. Porém, nosso sonho de ajudar e colocar em prática o que havíamos aprendido, falava mais alto.
Foram 45 dias de trabalho, quando pude perceber que, por trás do bem que fazíamos, havia, sobretudo, o desejo político de manutenção do poder. A população era carente de tudo e não possuía noções mínimas de educação sanitária. A cidade, por sua vez, destituída de saneamento básico. O experiente prefeito sugeria o acréscimo de complexo B ao nosso receituário onde predominavam os programas "Mais Médicos".
Nosso raciocínio se afunilava pela monotonia de diagnósticos. Tampouco havia condição de algo mais... Nossa presença se constituía uma bênção para a população extremamente carente e sem noção de que as medidas eram meramente paliativas. Satisfazia-se com pouco. Saímos dali enaltecidos pelos moradores e felizes com nosso exercício de solidariedade. Eles, por sua vez, continuariam a ingerir água contaminada e a ter diarreia...
No atual programa, diferenças gritantes no transporte e no receptivo. No mais, talvez a mesma farsa e o mesmo viés eleitoreiro. Comprove-se sua efetividade através da comparação honesta, sem mascarar a realidade, entre os indicadores atuais e após dois ou três anos do programa. Sonhamos com a real melhoria da qualidade de vida da população!

Celina Côrte Pinheiro

Médica  

Nenhum comentário:

Postar um comentário